JBS prevê elevar produção em 5% no país e reduzir custos

A companhia prevê ainda economias de 200 milhões de reais anualizados com reduções de custos e eficiências fiscais

São Paulo – O JBS, maior produtor de carne bovina do mundo, informou nesta terça-feira que adotará uma estratégia de integração operacional que prevê elevar em pelo menos 5 por cento a sua produção no Brasil, por meio da utilização mais eficiente da capacidade de seu parque industrial.

Ao mesmo tempo, a companhia prevê economias de 200 milhões de reais anualizados com reduções de custos e eficiências fiscais. O plano será colocado em prática a partir de 1o de setembro.

“Isso será alcançado com o remanejamento dos trabalhos de seis unidades, em razão de fatores como ineficiência fiscal, decorrente da legislação tributária de alguns Estados, a proximidade entre unidades e a busca por um portfólio de produtos mais eficiente, ampliando sua presença no mercado doméstico”, afirmou a companhia em comunicado.

A companhia informou que suspenderá “integralmente” as atividades da unidade em Presidente Epitácio (SP), “devido a ineficiência fiscal no Estado”. A produção da planta paulista será transferida para as unidades da companhia em Mato Grosso do Sul.

O abate e desossa da unidade de Teófilo Otoni (MG) serão transferidos para as unidades de Iturama e Ituiutaba, ambas em Minas Gerais.

A empresa ainda remanejará o abate e desossa de Maringá (PR) para Naviraí (MS) e transferirá as atividades de desossa de Água Boa (MT) e Alta Floresta (MT) para Barra do Garças (MT) e Diamantino (MT), sendo que, nesta última, o abate será duplicado, passando para 2.000 cabeças por dia.

O JBS também remanejará a desossa de Pimenta Bueno (RO) para a unidade de Vilhena (RO).


“Com essa estratégia, a JBS concretiza mais um passo na captura de sinergias existentes entre suas unidades no Brasil e espera elevar em pelo menos 5 por cento sua produção no país”, afirmou a nota.

O frigorífico afirmou que não prevê a retomada das operações em tais unidades enquanto permanecerem as atuais condições, especialmente da legislação tributária.

Com objetivo de minimizar os impactos sociais nas comunidades, a JBS disse que oferecerá oportunidade de transferência para uma “parcela substancial dos colaboradores envolvidos”, além de auxiliar na recolocação daqueles que forem demitidos.

“O resultado entre as demissões e as contratações nas unidades que receberão as linhas de abate e desossa será positivo, com a criação de 500 novos postos de trabalho.”