Jamie Wheal: como chegar ao “flow” no trabalho

O especialista em alto desempenho se inspirou no preparo de acrobatas, atletas de elite e artistas marciais para criar treinamentos corporativos

Logo depois de publicar “Super-Humanos: Como os Atletas Radicais Redefinem os Limites do Possível” em 2014, Steven Kotler, premiado jornalista e coautor de “Abundância” e “Oportunidades Exponenciais”, se uniu ao especialista em alto desempenho Jamie Wheal para fundar uma empresa. Escolheram o sugestivo nome Flow Genome Project e contrataram neurocientistas, psicólogos esportivos, artistas e especialistas em mídias digitais para criar treinamentos corporativos inspirados no preparo físico e mental de atletas de alto rendimento e artistas de palco. Entre os clientes estão a empresa de tecnologia Google, o banco Goldman Sachs, a consultoria Deloitte e a Escola Americana de Guerra Naval.

O objetivo dos cursos, também destinados a indivíduos em retiros de cinco dias ou no formato online, é ensinar formas de se chegar mais rapidamente e com maior frequência ao flow — ou estado de fluxo, na tradução em português. Descrito por psicólogos nos anos 90 e desvendado mais recentemente pela neurociência, o flow é um estado mental no qual se está tão concentrado numa atividade que não se percebe o tempo passar, o senso de ego se esvai e as ideias fluem livremente. O fenômeno, ligado ao máximo desempenho de atletas e artistas, também ocorre no ambiente corporativo. A consultoria de estratégia McKinsey, acompanhou por uma década 6.000 executivos e concluiu que eles eram cinco vezes mais produtivos quando estavam no estado de flow.

A entrada nesse canal alterado de consciência em geral acontece quando a pessoa tem as habilidades necessárias para cumprir uma tarefa cujo desafio não é tão grande a ponto de causar ansiedade nem tão baixo que gere tédio ou apatia. Estudos mostram que durante o flow há alteração na frequência das ondas cerebrais e aumento da circulação de moléculas como endorfina e serotonina. Além de fundar a empresa, Kotler e Wheal escreveram juntos “Roubando o Fogo: A Ciência por Trás dos Super-Humanos”, recém-publicado no Brasil. No livro, explicam suas descobertas relacionadas ao flow e outros estados não ordinários da consciência que podem levar ao autoconhecimento, influenciar tomadas de decisão e levar ao máximo desempenho no trabalho e na vida.

Sua consultoria promete “ensinar as pessoas a treinar seus cérebros para encontrar suas mentes”. O que isso quer dizer?

Muitas pessoas estão distraídas, estressadas e viciadas em receber estímulos constantes. Com frequência estão sonhando acordadas, não prestam total atenção ao que está acontecendo com elas e no entorno durante o momento presente. Essa condição atrapalha a comunicação entre as pessoas. Pesquisas mostram que somente 17% da comunicação é por palavras. Todo o restante se dá através da linguagem corporal, do tom de voz, das expressões faciais. Então, muitos não estão prestando atenção a todos esses fatores. Colocar trabalhando em conjunto um monte de pessoas distraídas não parece o melhor caminho para resolver os problemas complexos que enfrentamos nas organizações. Então, oferecemos um conjunto de soluções simples para que as pessoas cheguem ao flow mais frequentemente e se tornem mais atentas e criativas.

No site da sua empresa e no seu livro, vocês mencionam que são gastos anualmente 4 trilhões de dólares para chegar a “estados alterados da mente”, e o estado de fluxo faz isso naturalmente. Qual a diferença entre estados alterados e flow?

O estado de flow é uma subcategoria de estados alterados ou estados não-ordinários da mente. É diferente de sonhar acordado, diferente de um estado meditativo ou de um estado psicodélico. Tende a surgir espontaneamente, embora existam hábitos e práticas para ajudar a traze-lo à tona. O flow costuma surgir não apenas durante a prática de mindfulness (atenção plena, em português), mas também durante a tomada de decisões e nas interações no contexto do ambiente trabalho.

A prática de meditação como forma de treinamento para a atenção plena é um pré-requisito para atingir o flow?

Ambos são certamente complementares. Quaisquer formas de treinamento de atenção e de monitoramento dos diálogos internos da nossa mente e da nossa tendência de entrar numa espécie de “modo automático” são muito úteis. O que muda conforme a técnica são os objetivos. Por exemplo, na meditação o objetivo é chegar a um estado de não pensar em nada. E o objetivo do flow é ter pensamentos e ações fluídas e intuitivas.

Qual a relação do flow com a felicidade?

As pesquisas [como uma da Universidade Harvard] mostram que as pessoas que experimentam estados de flow mais frequentemente são as mais satisfeitas com a vida. Não é exatamente sobre felicidade, mas satisfação. Também está diretamente correlacionado a se ter um equilíbrio do elemento ego. No sentido de ser flexível e capaz de ter múltiplas perspectivas. Há o que ficou conhecido como “paradoxo hedônico”, segundo o qual buscar a felicidade não torna as pessoas felizes. Muitas vezes, a busca pelo estado de fluxo significa se colocar em situações desconfortáveis para superar desafios. Não é realmente sobre a felicidade, mas sobre satisfação e significado.

Sua consultoria cita vários perfis para se atingir o flow. Poderia dar um exemplo?

É um questionário que elaboramos com base num teste real de DNA, testando 16 marcadores genéticos para a probabilidade de entrar no flow. Há desde a busca por novidades e o gosto por riscos até tendências de dependência, e estabilidade do sono. Conduzimos as pessoas a fazer uma análise da própria vida para tentar entender sua infância, adolescência e idade adulta. Chegamos a pelo menos quatro perfis ou formas principais de se chegar ao flow, e as pessoas podem usar um dos formatos em casa e outro no trabalho, ou ir mudando ao longo da vida. Por exemplo, eu sou uma combinação entre o “pensador profundo” e o “supercarregado”. Então, se eu não estou refletindo profundamente sobre algum assunto, eu gosto de ser desafiado. Sou viciado em adrenalina, sempre buscando a intensidade de atividades físicas para bloquear as conversas internas da minha mente e me sentir calmo.

É possível ter flow também em grupo?

Sim, há pesquisas que falam sobre os dois formatos, como as do psicólogo Keith Sawyer [especialista em criatividade], que se dedicou a estudar o flow em grupo. É três vezes mais satisfatório entrar no estado de flow junto com alguém que se confia e se está interdependente numa atividade do que simplesmente fazê-lo sozinho. Como numa banda de jazz, numa dança de tango ou salsa, como surfar ou esquiar junto com um amigo. É por isso que muita gente adora assistir futebol, quando muitas pessoas estão em conjunto é que a magia acontece e não tanto quando a bola está rolando sozinha.

No ambiente de trabalho ou em momentos de lazer, que obstáculos costumam impedir as pessoas de ter mais momentos de flow?

A perda da capacidade de decidir sobre a própria vida e de respeitar os próprios ciclos circadianos ou biológicos. Os horários de trabalho costumam seguir os ritmos da rotina de um executivo típico – um homem branco na casa dos 50 anos de idade. Não respeitando os ciclos biológicos de quem tem outros perfis ou está em outras fases da vida. O resultado, pelo menos nos Estados Unidos, é que a maioria dos trabalhadores está com privação crônica do sono. Pois não tem o controle sobre o básico, acorda com a ajuda de um despertador, está sempre cansado e tem de seguir constantemente o calendário ou os horários de outras pessoas. O período geralmente ótimo do cérebro para pensamentos abstratos, complexos e profundos é pela manhã. Mas muitas empresas marcam várias reuniões nesse período do dia, e no momento que muitos finalmente conseguem um pouco de sossego para se concentrar em uma atividade individual, o cérebro está cansado.

O que mais tem atrapalhado a produtividade no ambiente de trabalho?

Pesquisas mostram que muitos prédios corporativos dos Estados Unidos ficam congelantes durante o verão porque os cálculos de ar condicionado foram feitos com base em estatísticas da década de 60, onde todos escritórios estavam cheios de homens, que sentem mais calor do que as mulheres. Agora que há muito mais equilíbrio de gênero nos escritórios, as funcionárias costumam passar muito frio. Além disso, as redes sociais e muitos aplicativos aproveitam nosso sistema de recompensas [um mecanismo inconsciente do cérebro influenciado por neuroquímicos] e estimulam nossa produção natural de dopamina [neuroquímico liberado em situações de recompensa] através das notificações e curtidas. Tudo isso tem sequestrado a atenção das pessoas. Nos últimos 20 anos os ambientes de trabalho têm mudado para espaços mais abertos, sem divisórias. Em muitas empresas, executivos sentam com seus laptops ao lado de funcionários dos demais escalões. Parece muito igualitário, sem barreiras ou hierarquias, e ressoa culturalmente. Mas interfere na capacidade de fazer reflexões profundas sem interrupções. São necessários de 90 a 120 minutos ininterruptos para o flow. Fiz uma apresentação para a [empresa de tecnologia] Cisco numa conferência sobre o futuro do trabalho, e lá ouvi sobre uma estatística impressionante. Algo como 70% dos prédios corporativos dos Estados Unidos funcionam na maior parte do tempo com a metade de sua capacidade ocupada. Especialmente quando têm prazos para cumprir, as pessoas estão preferindo trabalhar remoto — em casa, em cafeterias ou coworkings.

Como resolver esses problemas?

Primeiro, é rastrear os níveis de energia humana e respeitar os ciclos de sono das pessoas. Ou seja, saber em quais horários e rotinas se é mais produtivo. Ter horários flexíveis de trabalho é uma opção. Outra é criar uma cultura corporativa na qual se tenha consciência das tarefas mais importantes e não seja indelicado dizer não para os colegas, nem considerado uma pessoa não-colaborativa, quando se precisa desligar as notificações de e-mail e mensagens, fechar a porta quando ela existir, e baixar a cabeça para se concentrar profundamente numa tarefa difícil e individual. Outra necessidade é a de criar formas de aliviar o estresse e proporcionar treinamentos para o cérebro. Estamos fazendo um projeto com a [consultoria de estratégia] Deloitte neste momento, no qual estamos treinando executivos das 500 maiores empresas dos Estados Unidos em desempenho sustentável e gerenciamento de estresse. Práticas de respiração e variação da frequência cardíaca podem ser muito eficazes para ajudar as pessoas a se tornar fisicamente organizadas e neurologicamente saudáveis – o que pode, então, fazer com que elas melhorem seu desempenho no trabalho. Muitas empresas oferecem academia aos funcionários com o objetivo de fazê-los parar de fumar ou perder 10 quilos, o que de fato ajuda as pessoas a entrar em forma, parecer esteticamente melhor ou a ter menos dias de afastamento por doenças. Mas precisamos substituir essa ideia “fitness” pela de que corpos saudáveis ​​em conjunto com cérebros saudáveis ​​realmente criam um conhecimento mais efetivo. Somos realmente mais inteligentes quando nossos corpos e cérebros trabalham juntos. E é esse o tipo de programa que estamos implementando desde 2014 em grandes organizações. Por exemplo, com os times executivo, de engenharia e de vendas do Google, com cerca de mil sócios e executivos do Goldman Sachs, com corretores da consultoria financeira TD Ameritrade e com integrantes da Escola Americana de Guerra Naval.

Que tipo de resultados seus treinamentos têm trazido para as empresas?

Num programa de seis semanas do qual alguns milhares de pessoas já participaram observamos um aumento em média de 78% do domínio para entrar no estado de fluxo e concentração. O que significa que as pessoas demonstraram um maior controle sobre o próprio foco e trabalho.

Poderia dar um exemplo de atividade do treinamento?

Nós ensinamos ciência e práticas de movimentos corporais únicos e integrados. Falamos sobre como identificar desequilíbrios corporais. Ensinamos a se estar ciente sobre seus cérebros e suas mentes enquanto experimentam uma série de emoções interessantes ou mesmo sensações assustadoras. Mostramos dicas secretas de acrobatas, bailarinos, atletas de elite, artistas marciais, e como as pessoas podem usar essas técnicas sem que precisem se arriscar ou se tornar profissionais. Aprender a variar a própria frequência cardíaca, as ondas cerebrais ou alguma outra métrica corporal permite aprender a manter a consciência de forma dinâmica quando a vida fica complicada, imprevisível ou até mesmo assustadora.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a depressão foi a maior causa de afastamento de trabalho em 2017. Você vê uma conexão entre este fato e a falta de mais momentos de flow?

Sim. E de fato, essa é a tese do meu próximo livro. Adiantei os detalhes sobre ele na conferência sobre medicina exponencial na Singularity University em novembro e vou adiantar para seus leitores. Minha tese é que em muitos casos a depressão não é o sinal de falta de algo, mas do excesso de informações. Nossos cérebros, nossa capacidade de processar informações, e até mesmo nossos hábitos culturais não foram desenvolvidos para lidar com esse tanto de complexidade e ambiguidade de uma vez só. Muitas pessoas estão tendo surtos mentais e transtorno de estresse pós-traumático crônico. E, portanto, cultivar o flow e aumentar a conexão mente-corpo é essencial para aprender a gerenciar esse novo volume e velocidade de informações.

Poderia contar mais detalhes sobre o novo livro?

Eu começo com uma história sobre filhos adolescentes de executivos do Vale do Silício, em Palo Alto. Eles estão tendo de contratar guarda-costas para evitar que seus filhos cometam suicídio ao se jogar em frente aos trens. E essas são crianças do ensino médio com ótimo desempenho escolar. A ideia é que por um lado há o glorioso Vale do Silício, o local onde as inovações disruptivas acontecem. Por outro lado, é uma panela de pressão que impede que alguns prosperem. O livro será lançado em 2019 e provavelmente se chamará “Igreja 3.0: Repensando Deus, o Sexo e a Morte em um Mundo que Perdeu sua Mente.”

O senhor está criando uma nova religião?

Vou falar sobre as bases racionais e científicas. As taxas de ansiedade, depressão e suicídio estão aumentando globalmente. O mundo parece estar saindo dos trilhos, então precisamos integrar significado à vida e criar um misticismo racional que sirva de inspiração. Há hoje muitas pessoas traumatizadas, solitárias, isoladas, fragmentadas e que não sabem sobre a vida que vale a pena viver. Então, se pudermos usar os requisitos da religião organizada, mas sem entrar na superstição, na política, na burocracia. E criar ferramentas baseadas em neurociência para criar significado, então poderemos ter um impacto positivo.