Jack Ma se veste de rock star em despedida da Alibaba — veja fotos

Em festa para 80.000 pessoas, a empresa de tecnologia dona do AliExpress completa 20 anos e se despede de seu extravagante fundador

O bilionário Jack Ma, pessoa mais rica da China, fez nesta terça-feira 10 uma festa para marcar sua aposentadoria da empresa de tecnologia Alibaba, que fundou em 1999.

O empresário, de 55 anos, se vestiu de rock star ao fim da festa, com jaqueta de couro, óculos escuros e aplique no cabelo. Segundo agências de notícias, Ma tocou guitarra e cantou músicas populares chinesas.

O executivo chinês é conhecido por estilo extravagante, que o fizeram se fantasiar de Michael Jackson em outras celebrações da Alibaba. Nesta terça-feira, cantou e dançou ao lado dos principais executivos da empresa, que também performaram no palco — a festa aconteceu em um estádio para 80.000 pessoas na cidade chinesa de Hangzhou, com a presença de convidados e funcionários.

A terça-feira marcou, além da despedida de Ma, a comemoração pelos 20 anos da Alibaba. A empresa foi fundada por Ma com o pouco dinheiro que acumulou dando aulas de inglês. Hoje, o executivo acumula 41,8 bilhões de dólares em patrimônio e é a 20ª pessoa mais rica do mundo, segundo ranking da agência Bloomberg.

“Depois desta noite, eu vou começar uma nova vida. Acredito que o mundo é bom, e há muitas oportunidades. Eu amo muito o entusiasmo, que é o motivo pelo qual eu vou me aposentar cedo”, disse Ma.

Festa de 20 anos da Alibaba: companhia chinesa mais valiosa listada na bolsa

Festa de 20 anos da Alibaba: companhia chinesa mais valiosa listada na bolsa (Stringer/Reuters)

O executivo foi avistado chorando durante a festa, o que fez o tópico “Jack Ma chorou” chegar aos mais comentados na rede social chinesa Weibo.

Ma era até então presidente do conselho de administração do grupo Alibaba, conglomerado que tem serviços que vão de comércio eletrônico, sua principal frente (com nomes como o site AliExpress), a serviços de pagamento e computação em nuvem. Seu processo de deixar a empresa começou em 2013, quando ele deixou a presidência executiva da Alibaba e nomeou o atual presidente, Daniel Zhang.

Agora, Ma deve manter apenas uma cadeira no conselho do conglomerado, mas se manterá à frente da Ant Financial, companhia de pagamentos que lidera o mercado chinês junto com o WeChat Pay, de outro grande conglomerado, a Tencent. O executivo planeja também dedicar sua atenção à filantropia, com foco em educação via tecnologia.

Performance no palco: Jack Ma, conhecido por fantasias em festas da Alibaba, se vestiu de rock star e cantou para funcionários e convidados

Performance no palco: Jack Ma, conhecido por fantasias em festas da Alibaba, se vestiu de rock star e cantou para funcionários e convidados (VCG/Getty Images)

Sem trabalhar para sempre

Declarações de Ma ficaram conhecidas recentemente depois que o executivo defender expedientes de 12 horas por dia (das 9h às 21h) e seis dias na semana. Indo na contramão dessas declarações, o executivo optou por se aposentar aos 55 anos.

A defesa do expediente de 12 horas causou polêmica em outros países do mundo e até mesmo dentro da China, de modo que a própria Alibaba anunciou na festa desta terça-feira que adotou seis novos valores centrais e que um deles inclui “respeitar o equilíbrio de decisões profissionais e pessoais de cada indivíduo”.

Ma também afirmou aos presentes na despedida que ele espera ver a Alibaba arcar com maiores responsabilidades para melhorar a sociedade, à medida em que surgem novas polêmicas sobre tecnologias como big data e 5G, com as quais a empresa trabalha.

“Não é fácil ser uma empresa forte, mas é mais difícil ser um boa empresa”, disse. “Uma empresa forte é determinada por sua habilidade comercial, enquanto uma boa empresa é responsável e gentil.”

Daniel Zhang: executivo substituiu Jack Ma na presidência executiva do grupo Alibaba

Daniel Zhang: executivo substituiu Jack Ma na presidência executiva do grupo Alibaba (Stringer/Reuters)

O futuro da Alibaba

Com ações na NYSE, uma das bolsas de Nova York, o Alibaba é a empresa chinesa de capital aberto mais valiosa, valendo 449 bilhões de dólares. (A Tencent, dona de empresas como o app de mensagens WeChat e das principais redes sociais chinesas, está listada em Hong Kong e vale 392 bilhões de dólares.)

Um dos principais desafios de Zhang, o atual presidente do grupo Alibaba, será expandir os negócios da empresa para fora da China e lidar com um mercado interno chinês que desacelera.

O Alibaba entregou, no ano fiscal encerrado em março, 853 bilhões de dólares em mercadorias, mais do que Amazon e eBay somados, com faturamento de 377 bilhões de dólares. Mas apenas 5% da receita vem de suas operações de varejo internacionais, em países como Singapura, Índia e Vietnã. Reportagem do jornal Wall Street Journal mostra como a empresa tem dificuldade de levar a outros países hábitos de consumo da China — como a venda de papel higiênico, um hit em sua terra natal.

A empresa tem a meta de chegar a 2 bilhões de consumidores no mundo, dos quais apenas 800 milhões estariam na China. Além do sudeste asiático, entre os mercados mais promissores estão a Rússia e o Brasil, com o serviço de entregas AliExpress.