Indiciamento em caso Fifa não significa crime, diz Nike

O indiciamento criminal menciona uma companhia ligada a esportes não identificada que aparenta ser a Nike

A Nike disse na quinta-feira que documentos de acusação em relação ao escândalo de propinas na Fifa não significam que a companhia tenha participação em condutas criminosas.

Autoridades dos Estados Unidos disseram na quarta-feira que nove dirigentes de futebol e cinco executivos de marketing esportivo são acusados de corrupção envolvendo mais de 150 milhões de dólares em subornos.

A polícia suíça prendeu sete dirigentes da Fifa – presidente da CBF José Maria Marin, que agora aguardam extradição para os EUA.

O indiciamento criminal também menciona uma companhia ligada a esportes não identificada que aparenta ser a Nike.

A empresa não identificada é suspeita de ter pago propina em um contrato para patrocinar a seleção brasileira.

“Os documentos de acusação… não significam que a Nike participa de conduta criminosa”, disse a Nike em comunicado.

“Não há alegação nos documentos de acusação de que qualquer funcionário da Nike sabia de ou participava conscientemente de qualquer esquema de suborno ou propina”, disse a companhia.