Imbróglio da Oi está em negociação do outro lado do mundo

Hélio Costa, ex-ministro das telecomunicações e um dos conselheiros da empresa, viajou à Xangai para negociar aporte com grupo chinês, dizem jornais

São Paulo – O maior pedido de recuperação da história, feito pela Oi, completa um ano sem nenhuma conclusão nem um acordo entre a companhia e os milhares de credores. Nesta semana, a busca por uma solução chegou ao outro lado do mundo.

De acordo com informações da coluna Radar de Veja, Hélio Costa, ex-ministro das telecomunicações e um dos conselheiros da empresa, viajou à Xangai com a missão de negociar com investidores chineses um aporte na companhia depois da aprovação do plano de recuperação.

A coluna Broadcast da Agência Estado afirma que as conversas estão sendo mantidas com o grupo chinês TPG e ZTE, com assessoria do Banco Modal, que negou as informações ao jornal.

Não é a primeira vez que a companhia recorre a uma solução vinda da China. Em dezembro de 2015, quando a Oi tinha uma dívida que ultrapassava 50 bilhões de reais e um sócio importante envolvido na Lava Jato (André Esteves, do BTG Pactual), um aporte de longo prazo de 1,2 bilhão de dólares foi feito pela China Development Bank (CDB), o BNDES chinês.

Seis meses depois, a operadora brasileira entrava com o pedido de recuperação judicial que envolve 55.000 credores e quase 65 bilhões de reais em dívida.

Nesta última sexta-feira, dia 23, a Oi propôs fazer o pagamento para credores de até 50.000 reais, os das chamadas Classes 1, 3 e 4. A ideia era facilitar o pagamento de pequenas dívidas com fornecedores antes da votação do plano de recuperação da empresa.

Uma liminar, que atende a um recurso do CDB, suspendeu a mediação extrajudicial que a empresa pretendia colocar em prática e que poderia atender 90% dos credores. O banco alega que a iniciativa prejudicaria o pagamento dos créditos maiores, como o que mantido com ele.

Ao mesmo tempo, a Oi levou uma multa de 50 milhões de reais da Anatel por cobrança de serviços de terceiros sem a devida constatação da autorização expressa dos assinantes.

A previsão é de que a assembleia de credores aconteça até o final de setembro. Já as incertezas sobre a empresa estão sem data para acabar.