Hypera mantém um olho na economia e outro na Lava-Jato

Ex-Hypermarcas deve apresentar nova melhora em seus resultados, mas Lava-Jato pode levar a empresa a multas que podem chegar a R$ 884 milhões

A Hypera Pharma, fabricante de medicamentos que nasceu de uma reformulação do negócio da Hypermarcas, deve anunciar após o fechamento do mercado, hoje, uma melhora nos seus resultados como consequência do lançamento de novos produtos e de investimentos em propaganda.

As receitas da Hypera devem ter subido 15% no terceiro trimestre desde ano ante o mesmo período de 2017, para 1,1 bilhão de reais, enquanto o lucro deve ter avançado 12%, para 245 milhões de reais, segundo estimativa média de mercado. Na avaliação da corretora Lopes Filho, as perspectivas para a farmacêutica na segunda metade de 2018 e em 2019 estão melhorando devido aos esforços de inovação na sua linha de produtos e aos gastos com anúncios em mídia de massa, visitação médica e ações promocionais nos pontos de venda.

No primeiro semestre deste ano, a Hypera colocou no mercado 14 itens, incluindo novas versões de marcas tradicionais como o calmante Maracugina e o adoçante Zero Cal, e reposicionou outras, a exemplo do relaxante muscular Miorrelax.

No longo prazo, a empresa se beneficia do fato de que medicamentos são produtos que atendem necessidades básicas do consumidor, portanto menos sujeitos a sofrer com as oscilações da economia, e de que a população brasileira está envelhecendo e deve demandar cada vez mais remédios. Entretanto, o elevado desemprego no país – em agosto, estava em 12,1%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – é um fator de risco para as margens de lucro da companhia neste momento.

Enquanto trabalha para aperfeiçoar suas operações, a farmacêutica também aguarda o desfecho da investigação decorrente da Operação Lava-Jato que envolveu seu ex-diretor Nelson José de Mello. O executivo afirmou em acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal, em 2016, ter repassado 26,4 milhões de reais a políticos em troca de futuro apoio a projetos de lei que poderiam beneficiar a companhia. Em conexão com essa confissão, em abril a Polícia Federal fez uma busca na sede da companhia em São Paulo e nas casas do então presidente do conselho de administração da Hypera, João Alves de Queiroz Filho, e de Claudio Bergamo, que ocupava a presidência do grupo desde 2007.

Desde então, circulam no mercado rumores de que Queiroz Filho e Bergamo estão negociando também acordos de delação premiada, mas a falta de informações a respeito tem mantido os investidores cautelosos quanto à companhia e suas ações. “Se a investigação concluir que a Hypera foi beneficiada pelos pagamentos realizados por Mello, acreditamos que um acordo de leniência da companhia poderia ser possível, com o pagamento de multas de até 884 milhões de reais”, Gustavo Piras Oliveira, Guilherme Müller e Rodrigo Alcantara, analistas do banco de investimentos UBS, escreveram em relatório para clientes.