HRT busca fusão após queda de 77% em ações

O sócio deve ser “compatível” e ter “sinergias com a HRT”, disse o CEO Milton Romeu Franke

São Paulo – A HRT Participações em Petróleo SA, a empresa de exploração de petróleo brasileira que falhou na produção de petróleo bruto de 14 poços perfurados desde sua fundação, em 2009, está buscando uma fusão para injetar capital na companhia.

O sócio deve ser “compatível” e ter “sinergias com a HRT”, disse o CEO Milton Romeu Franke em uma entrevista, ontem, na sede da empresa, no Rio de Janeiro. A HRT não produziu petróleo depois de perfurar pelo menos 14 poços, deixando sua produção em zero. Suas ações caíram 77 por cento neste ano.

A HRT está buscando também parceiros para ajudar a explorar blocos na bacia do Solimões, na Amazônia brasileira, e ao largo da costa da Namíbia. A empresa reuniu dados de suas perfurações nas duas regiões para mostrar a potenciais investidores, de acordo com Ricardo Bottas Dourado, diretor financeiro da HRT.

“Nossa estratégia é reduzir nosso negócio de exploração, o que requer muito capital, mas não planejamos abandonar essas áreas”, disse Dourado na entrevista. “Nós queremos encontrar parceiros que acreditem nesses ativos tanto quanto nós sempre acreditamos”.

A empresa necessita realizar grandes investimentos para desenvolver descobertas de gás natural em Solimões porque a bacia não possui qualquer infraestrutura de transporte, disse Franke.

A Petróleo Brasileiro SA — Petrobrás, a produtora estatal brasileira que bombeia mais de 90 por cento do petróleo do país e que tem o único gasoduto na bacia do Solimões — entrou em acordo no ano passado para estudar opções como projetos de gás natural liquifeito para transportar o combustível, além de plantas de fertilizantes e energia, que poderiam usar o gás produzido na região.

A HRT espera lançar um novo plano de negócio até dezembro, disse Franke.