Hopi Hari reestrutura dívida de R$ 178 milhões

Parque temático registra no 1º trimestre;prejuízo de quase R$ 17 milhões

São Paulo – Acionistas e debenturistas do parque temático Hopi Hari assinaram nesta quarta-feira (16/6) um acordo pelo qual foi adiado para outubro de 2008 o vencimento do principal e dos juros de uma dívida de 178 milhões de reais em debêntures, vencida em 2002. “É a primeira etapa para equacionar um endividamento excessivo que preocupava os acionistas”, afirma Marcelo França, diretor administrativo-financeiro e de relações com investidores.

A empresa aguardou o desfecho das negociações para entregar hoje à Comissão de Valores Mobiliários seu relatório do 1º trimestre de 2004, onde, segundo França, registra faturamento de 8,73 milhões de reais e prejuízo de 16,85 milhões. O Ebitda (resultado operacional antes de despesas financeiras líquidas, depreciação, amortização e arrendamentos) alcançado entre janeiro e março de 2004 foi de 1,63 milhão.

“Essa indústria do parque temático tem uma maturação. É preciso criar entre os brasileiros a cultura de visitação a parques temáticos. Enquanto isso, o acordo remove a pressão, permitindo foco no ganho de eficiência”, diz França.

Em nota distribuída à imprensa, o diretor-presidente do parque, Armando Pereira, afirma que “a reestruturação reflete a confiança dos sócios e dos credores na viabilidade do parque”. Segundo a direção do Hopi Hari, sete milhões de turistas passaram por seus 760 mil metros quadrados em seus quatro anos de operação.