Grupo Doux recebe 11 propostas de compra e traça próprio plano

A dívida da Doux inclui débitos da subsidiária brasileira Doux Frangosul, que teve bens alugados recentemente pelo grupo JBS

Chateulian – O grupo avícola francês Doux, afundado em dívidas e que entrou em administração judicial no mês passado, ameaçando o sustento de 3.400 trabalhadores e 800 produtores na França, atraiu 11 propostas de compra, disseram sindicatos.

As ofertas incluem as rivais LDC e Tilly Sabco, a cooperativa Terrena, a empresa do agronegócio La Financière Turenne La Fayette e um consórcio liderado pelo grupo de oleaginosas Sofiproteol, disseram os líderes sindicais.

Os administradores da Doux organizaram uma rodada de ofertas com prazo para quinta-feira, como parte dos esforços de resgatar um dos maiores exportadores de frango do mundo.

O governo, que tem pressionado por um comprador para todo o grupo, para proteger tantos empregos quanto possível, já que o desemprego na França está em seu maior nível desde 1999, disse mais cedo que não está satisfeito com a oferta inicial, feita pelo consórcio da Sofiproteol.

Em reunião do conselho da Doux nesta sexta-feira, o presidente do conselho, Charles Doux, cuja família detém 80 por cento da companhia, disse que faria uma proposta alternativa nos próximos dias, para manter as atividades do grupo pelo menos até dezembro, disseram autoridades dos sindicatos.

A Terrena -detentora da produtora de frango francesa Gastronom- fez uma oferta de 24,7 milhões de euros (ou 30,4 milhões de dólares) por três posições, enquanto a La Financière Turenne La Fayette ofereceu, de maneira provisória, 25 milhões de euros por duas posições, disse à Reuters Yannick Guehenno, do sindicato FO.


A Tilly-Sabco confirmou, em comunicado, uma oferta pelas operações de exportação da Doux, que incluem duas unidades, prometendo manter 588 empregos.

Os sindicatos reagiram com irritação às ofertas, as quais disseram cobrir apenas algumas posições e não preservar todo o grupo.

“O que está sendo proposto é o desmantelamento do grupo”, disse à Reuters Joseph d’Angelo, do sindicato CGT.

Autoridades dos sindicatos também disseram que a composição do consórcio liderado pela Sofiproteol mudou, com a LDC e a Tilly-Sabco deixando de fazer parte, tendo deixado a Sofiproteol com sua unidade Glon Sanders, a produtora de frango Duc e a cooperativa Triskalia.

A Sofiproteol, que anunciou a oferta de seu consórcio na quinta-feira, não estava disponível para comentar o caso.

“Nós achamos que há espaço para melhoria no esboço geral que eles nos apresentaram, tanto em termos industriais como sociais”, disse o porta-voz do ministro da Agricultura, Stephane Le Foll à Reuters.

Uma corte comercial a noroeste da França deverá considerar as ofertas em audiência em 23 de julho, disseram os sindicatos.

A dívida da Doux inclui débitos da subsidiária brasileira Doux Frangosul, que teve bens alugados recentemente pelo grupo JBS. A Frangosul representou cerca de metade das vendas da Doux de 1,4 bilhão de euros em 2010.