Grupo Abril entra com pedido de recuperação judicial

A empresa utilizará o mecanismo legal da recuperação judicial para reencontrar o equilíbrio operacional

O Grupo Abril, que edita EXAME e Veja, decidiu entrar com um pedido de recuperação judicial nesta quarta-feira, 15 de agosto. A medida, prevista em lei, serve para que a empresa possa buscar um novo equilíbrio de suas contas, afetadas nos últimos anos por uma combinação de duas forças negativas. Uma delas é a ruptura tecnológica que atinge mundialmente as atividades de comunicação – incluindo o jornalismo e a publicidade. A outra diz respeito aos impactos da profunda crise no Brasil, cuja marca mais evidente foi uma queda acumulada de 10% no produto interno bruto per capita, causando a perda de milhões de empregos e dificuldades para inúmeras empresas.

O pedido de recuperação judicial está sendo formalizado hoje por meio do sistema eletrônico da Justiça. Deve ser analisado por um juiz nas próximas semanas e, uma vez aprovado, o plano de recuperação judicial será apresentado num prazo de 60 dias aos credores da companhia. A dívida submetida à proposta de recuperação judicial é da ordem de 1,6 bilhão de reais. O mecanismo da recuperação prevê um período de 180 dias em que a companhia não pode ser executada, para que a dívida seja renovada após a negociação da empresa com os credores.

Próxima de completar 70 anos desde que foi fundada por Victor Civita, a Abril tornou-se parte da vida de várias gerações de brasileiros, por meio de um leque de publicações em diversas áreas, do entretenimento à educação e à cultura. A história da empresa sempre foi marcada pela inovação editorial, com o lançamento de títulos que se tornaram icônicos, desde as revistas infantis da Disney, com o pioneiro Pato Donald, até a revista Veja, a maior semanal do Brasil e uma das maiores do mundo – que neste ano está completando 50 anos –, passando por outras líderes em suas searas, como Claudia, a mais importante revista feminina brasileira, e Quatro Rodas, imprescindível para quem gosta de carros. A quinzenal Exame é publicada há 51 anos na forma de revista. Dedicada a economia, negócios, finanças e carreira, hoje Exame é também o maior site dessas áreas no Brasil, atingindo cerca de 25 milhões de visualizações por mês.

As revistas da Abril somam uma tiragem total de 5 milhões de exemplares por mês e têm mais de 60 milhões de seguidores em redes sociais. Essa popularidade está calcada no fato de que a Abril se constituiu em uma escola do jornalismo sério e responsável. A qualidade do trabalho feito por suas revistas e sites é de reconhecida importância há décadas – mas especialmente hoje é valorizada, quando o público busca se orientar e se proteger contra as notícias falsas.

Apesar de tudo isso, o ambiente econômico desfavorável e os desafios da mudança tecnológica levaram a empresa a fazer sucessivas reformulações operacionais nos últimos anos. No caminho, vários títulos tiveram a publicação interrompida, mesmo com a empresa já se movendo na área digital. Para atacar os problemas que afetam o negócio, a família Civita, controladora do Grupo Abril, contratou recentemente a consultoria internacional Alvarez & Marsal para um trabalho de reestruturação organizacional.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Pedro Evandro Montini

    Quem mandou virar esquerdista!? Bem feito! Já fui cliente de vocês por anos, assinando várias revistas, principalmente Exame, que um dia já foi referência em economia e negócios. Hoje a Abril não passa de uma disseminadora de “fake news” e pautas socialistas.

  2. Sergio Queiroz

    Ué, não era só tirar a Dilma e o PT?

  3. Abril tem que fechar, com esses jornalistas que apenas fazem Fake news essas com meias verdades única coisa relevante é a QUATRO RODAS

  4. Abril tem que fechar, apenas fazem Fake news e com meias verdades, jornalista comprados