Gol vai utilizar aporte da Delta para reforçar caixa

Empresa brasileira pretende crescer no exterior através de parcerias

São Paulo – A Gol vai utilizar os 100 milhões de reais da Delta para reforçar seu caixa. As empresas anunciaram hoje a aquisição de cerca de 3% do capital da companhia brasileira pela Delta.

Os 100 milhões de dólares devem entrar no caixa da Gol no mês de dezembro. O objetivo da Gol é ter um balanço mais forte e trabalhar para ter reservas altas de caixa. “Caixa é super importante nesse setor”, disse Leonardo Pereira, CFO da Gol. A empresa tem como meta manter cerca de 25% de seu dinheiro em caixa, e vem conseguindo isso, segundo Pereira. O acordo não muda o guidance divulgado pela Gol para esse ano, segundo Constantino, CEO da Gol.

No terceiro trimestre, a Gol acumulou prejuízo de 516,5 milhões de reais, revertendo lucro de 110 milhões de reais somado um ano antes. De acordo com o balanço da companhia, a desvalorização da moeda brasileira gerou uma despesa líquida com variação cambial de aproximadamente 476,4 milhões de reais.

Delta

Esse é o segundo investimento desse tipo que a Delta faz. O primeiro também foi esse ano, 65 milhões de dólares na Aeromexico. “Não e uma pratica normal da Delta. Olhamos o crescimento e o mercado local e vimos que era algo em que queríamos investir”, disse Richard Anderson, CEO da Delta, sobre a Gol.

A Delta vai absorver duas aeronaves 767-300 que hoje compõe a frota da Gol, que, sem esses aviões, terá uma frota mais uniforme, segundo Constantino Jr.  O custo de manutenção dessas duas aeronaves para a Gol até 2014/2015 seria de 50 milhões de reais, mesmo sem voar. O destino deles na empresa norte-americana será definido nos próximos meses, segundo Ed Bastian, presidente da Delta. Bastian será o membro da Delta no conselho da Gol. Atualmente a Gol tem nove membros em seu conselho, com Bastian serão dez. O conselho de administração da Gol se reunirá dia 21 dezembro para discutir sobre o referido aumento de capital.    


O Brasil é uma das economias mais importantes do mundo para a Delta, segundo Anderson. A expectativa da empresa é que, por volta de 2015, o país seja o 4º maior mercado de aviação. Gol e Delta mantinham conversas há cerca de um ano e meio.  

Consumidor

“Os acordos de codeshare permitirão levar o cliente a destinos globais sem a empresa mudar sua operação, sua frota”, disse Constantino. A ideia é continuar crescendo a partir de parcerias. Com o acordo, a Gol poderá alcançar quase 400 destinos no mundo em mais de 70 países, segundo Constantino. 

A política de baixo preço da Gol está mantida, segundo Constantino e os benefícios estarão na integração de serviços entre Gol e Delta – incluindo a integração nos programas de relacionamento. Os clientes Gol poderão resgatar milhas no programa da Delta e vice-versa. A integração de programas de milhagens e codeshare deve ser concluída entre seis e doze meses. A identidade dos programas será mantida. 

O CEO da Delta não deu detalhes sobre a política de preços da empresa após o acordo com a Gol. “Vamos criar valor para os consumidores brasileiros que vajam para os Estados Unidos”, disse Anderson.

Alianças

O acordo não faz referência a participação da Gol em alianças globais, segundo Constantino. Os acordos que a Gol já possuía com locadoras, redes hoteleiras, assistência de viagens, por exemplo, não serão alterados. 

Atualmente a Delta tem um acordo de vendas de passagens com a American Airlines. O acordo será preservado até seu vencimento, no terceiro trimestre de 2012.  

Gol e Webjet continuam atuando de maneira independente – o acordo está no CADE. A operação com a Delta não contempla a Webjet no momento. No futuro há interesse em levar o acordo à Webjet, segundo Constantino.