Gol estima alta de 24% na receita unitária de passageiro no 2º trimestre

A Gol estima que a liquidez total no final do trimestre será de 3,7 bilhões de reais, acima do resultado do trimestre anterior

São Paulo — A Gol prevê alta de 24% para a receita unitária de passageiro (PRASK) no segundo trimestre frente ao mesmo período do ano passado, conforme fato relevante da companhia aérea divulgado nesta segunda-feira.

Para a receita unitária (RASK), a empresa calcula acréscimo de 23% no período, de acordo com os dados preliminares e não auditados.

A companhia disse que os custos unitários (CASK) excluindo combustíveis devem ter subido aproximadamente 15% frente ao segundo trimestre de 2018.

Ela atribui tal movimento principalmente à depreciação de 9% do real na comparação ano sobre ano; aumentos em impostos sobre folha de pagamento devido à reoneração da folha de pagamento; aumento de despesas com pouso e navegação devido ao aumento de aproximadamente 10% nas taxas; e aumentos de depreciação, devido à adição de cinco aeronaves líquidas na frota.

Para a margem Ebitda, a Gol estima um percentual de 22% a 24% no segundo trimestre, frente a 16,4% no trimestre encerrado em junho de 2018. A margem Ebit deve ficar entre 9% e 10%.

De acordo com os cálculos da companhia, a alavancagem financeira, apresentada pelo indicador dívida líquida/Ebitda UDM, ficou em aproximadamente 3,2 vezes no trimestre findo em junho de 2019.

A Gol disse que amortizou 100 milhões de reais de dívida no trimestre e a liquidez total no final do trimestre está estimada em 3,7 bilhões de reais, acima dos 3,5 bilhões de reais no trimestre anterior.