Gol é eleita Empresa do Ano 2004 por Melhores e Maiores

A Gol Linhas Aéreas foi escolhida a Empresa do Ano de 2004 de MELHORES E MAIORES. É a primeira vez, desde o lançamento da premiação em 1977, que uma companhia com pouco mais de três anos de vida recebe o título de melhor entre as melhores. A entrega do prêmio, da qual participaram o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e centenas de empresários, foi realizada na noite de quinta-feira (1/7) em São Paulo. Também foram destaque na festa as empresas vencedoras de cada setor e das diferentes regiões.

O prêmio de Empresa do Ano foi recebido com surpresa por Constantino de Oliveira Jr, presidente da Gol. “Foi uma superagradável surpresa.Trabalhamos muito para ser a melhores empresa de serviço de transporte [categoria em que a Gol também recebeu o troféu de MELHORES E MAIORES]”, diz Oliveira. “Mas ser eleita a melhor entre as melhores foi realmente uma surpresa.” Depois de render uma homenagem ao pai, Constantino Oliveira, o Seu Nenê, o fundador do grupo empresarial, Oliveira Jr afirmou: “A trajetória da Gol será profundamente marcada por ter sido eleita a empresa do ano”.

Mérito das empresas

Para o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, o grande esforço das empresas nos últimos meses resultou no crescimento da economia neste ano, como também pelo aumento nas exportações. “O PIB [Produto Interno Bruto] está crescendo não só em número mas também em qualidade”, disse o ministro, em seu pronunciamento aos empresários. “Tenho certeza que esse crescimento não será só um novo ciclo que irá acabar em seguida como vivemos em meados do século 20. Será um crescimento sustentado.”

Na entrega dos prêmios, o presidente da Editora Abril, Roberto Civita, afirmou que o mérito dos ganhadores é dobrado. “São verdadeiros campeões: deixaram para trás não apenas os concorrentes, mas também o cenário repleto de adversidades que marcou o ano passado”, afirma Civita. “Todos sabemos que 2003 foi um ano basicamente de arrumação, não de crescimento.”

Em seu discurso, Civita salientou que é necessário refletir sobre alguns problemas urgentes da economia brasileira. (Clique aqui para ler o pronunciamento de Roberto Civita na íntegra.) “O primeiro diz respeito a uma reforma no caos tributário de nosso país”, diz o presidente da Editora Abril. “Quanto menos complexo e mais equilibrado o sistema tributário, menor a sonegação, a corrupção, a concorrência desigual.” Outra questão é a necessidade de uma reforma trabalhista. “A continuarmos por este caminho, emprego formal será, daqui a pouco, uma realidade apenas para os funcionários das 500 maiores empresas do país aqui reunidas.”

O presidente da Editora Abril falou ainda sobre a dificuldade de essas mudanças se concretizarem. “É verdade que fazer reformas para valer é muito mais difícil do que falar delas. Mas será que não somos capazes de juntar esforços para superar essas dificuldades e seguir o caminho dos países que deram certo? É essa a pergunta (e o apelo) que deixo para o ministro Palocci e para os senhores torcendo para que não seja necessário repeti-los na festa de MELHORES E MAIORES do próximo ano.”