Gol aguarda posição da Anac após veto ao Aeroporto de Pampulha

Aeroporto funcionava apenas para voos regionais e de táxi aéreo desde 2004, mas foi reaberto para voos de longa distância em 25 de outubro

São Paulo – A Gol aguarda uma orientação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para dar andamento às operações programadas para o Aeroporto de Pampulha, em Belo Horizonte, conforme informou a assessoria de imprensa da companhia.

O aeroporto funcionava apenas para voos regionais e de táxi aéreo desde 2004, mas foi reaberto para voos de longa distância em 25 de outubro, conforme portaria do Ministério dos Transportes.

Nesta quinta, porém, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que o governo federal suspenda, cautelarmente, a portaria que reabriu Pampulha.

A Gol já se preparava para realizar quatro voos diários entre Pampulha e Congonhas, em São Paulo, a partir de 22 de janeiro. Agora, a situação está indefinida.

Em sua decisão, o TCU solicitou esclarecimentos técnicos ao ministério, à Anac e à Infraero sobre as implicações da liberação de Pampulha para o restante do setor aéreo, como condições de conectividade, ambiente concorrencial, modicidade tarifária e qualidade na prestação dos serviços públicos, entre outros pontos.

Com as limitações de Pampulha nos últimos anos, a maior parte do tráfego aéreo de Belo Horizonte foi destinado ao Aeroporto de Confins, concedido à iniciativa privada em 2013. Sua reabertura, agora, mexe com a competição no setor.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. CLAUDIO Lemes Louzada

    1) Só a Privatização salva os aeroportos Brasileiros!!! Não adianta mais insistir em Infraero! 2) A Pampulha tem todas as características de aeroporto central para a aviação executiva e regional operando com Turboélices de até 90 lugares como nas principais cidades do mundo. Deve ser o verdadeiro porto livre para as empresas regionais e aviação executiva. Com os Turboélices ganha a cidade, o aeroporto, as empresas regionais e a população do entorno devido sua operação silenciosa. 3) O aeroporto precisa construir pistas de rolamento (táxi) em toda extensão para as aeronaves deixarem a pista livre após o pouso, aumentando a segurança aérea. Essas existem parcialmente na Pampulha. As aeronaves retornam sobre a própria pista. Um atraso e absurdo! 4) O pátio de aeronaves é extremamente pequeno para grandes aeronaves. 5) Não há pontes de embarque/desembarque. 6) A estação Primeiro de Maio do metrô, distante somente 1,1 Km, deve se ligar ao aeroporto com um monotrilho ou VLT autônomo, como acontece com os aeroportos centrais. 7) CONFINS necessita urgentemente também de uma ligação METROVIÁRIA. Saudações,