GM enfrenta queda nas vendas e guerra de preços nos maiores mercados

Recuo na demanda do setor na China, maior mercado automobilístico do mundo, está aumentando pressão sobre a General Motors e outras montadoras

Detroit – Investidores da General Motors vão ver na quinta-feira, 1, como a montadora de Detroit está resistindo à queda nas vendas e ao aumento de pressões sobre os preços em seus maiores mercados, quando a empresa divulgará seu balanço do segundo trimestre.

A queda na demanda do setor na China, o maior mercado automobilístico do mundo, e a escalada da guerra de preços no lucrativo segmento de caminhões dos EUA estão aumentando a pressão sobre a GM. Outras montadoras, incluindo a concorrente americana Ford Motor e a Daimler, ofereceram previsões decepcionantes na semana passada.

Em abril, a presidente-executiva da GM, Mary Barra, disse que “a confiança no ano à frente permanece forte”, citando o lançamento de uma nova picape e a contínua transformação dos negócios da montadora.

Para o ano inteiro, a GM previu lucro ajustado de 6,50 dólares a 7 dólares por ação e ajustou o fluxo de caixa livre automotivo na faixa de 4,5 bilhões a 6 bilhões de dólares.

A GM deve registrar até 10 bilhões de dólares em fluxo de caixa nos três últimos trimestres de 2019 para atingir sua meta para o ano, em meio à estagnação da demanda americana e à queda nas vendas do setor na China. Ela registrou um fluxo de caixa negativo de 3,9 bilhões de dólares no primeiro trimestre.

As vendas de automóveis na China, o maior mercado da GM, estão caindo pelo segundo ano consecutivo, depois que a demanda contraiu pelo décimo segundo mês consecutivo em junho.

No segundo trimestre, as vendas da GM na China caíram 12%, uma leve melhora em relação ao declínio de 17,5% no primeiro trimestre.

Os lucros da GM no rentável mercado de picapes também foram pressionados por uma guerra crescente de preços com a Ford e a Fiat Chrysler Automobiles. As três montadoras de Detroit dominam o segmento.

Os executivos da GM disseram anteriormente que estavam otimistas com as vendas no segmento para o resto do ano, e citaram a implantação de modelos mais lucrativos à medida que o lançamento continua.

A economista-chefe da GM, Elaine Buckberg, disse neste mês que as vendas da indústria norte-americana foram fortes no primeiro semestre e devem se manter no segundo semestre e obter ainda mais apoio se o Federal Reserve cortar as taxas de juros como esperado.