Ghosn recebeu US$ 8,9 milhões em pagamentos “impróprios”, diz Nissan

A Nissan afirmou crer que os pagamentos a Ghosn foram "resultado de má conduta" e que vai tentar reaver o dinheiro

Tóquio – A Nissan e a Mitsubishi informaram nesta sexta-feira, 18, que o executivo brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente do Conselho de Administração das duas companhias, recebeu US$ 8,9 milhões em pagamentos “impróprios” realizados por uma subsidiária que ambas mantinham na Holanda.

A Mitsubishi informou que Ghosn recebeu os pagamentos entre abril e novembro do ano passado, depois de ser contratado pela Nissan-Mitsubishi BV, estabelecida em junho de 2017 em território holandês.

As companhias disseram que seus atuais diretores executivos – Hiroto Saikawa da Nissan e Osamu Masuko da Mitsubishi – não foram consultados sobre os pagamentos, embora também fossem executivos da empresa holandesa, ao lado de Ghosn.

A Nissan afirmou crer que os pagamentos a Ghosn foram “resultado de má conduta” e que vai tentar reaver o dinheiro.

Ghosn foi preso no dia 19 de novembro em Tóquio e posteriormente indicado por fraudes financeiras. O executivo nega irregularidades.

Nesta sexta, uma corte em Tóquio rejeitou o pedido da defesa de Ghosn para que fosse uma estabelecida uma fiança, para que ele pudesse responder ao processo em liberdade.