Gafisa sai de lucro para prejuízo de R$ 72 milhões no 3º tri

Segundo a empresa, os segmentos Gafisa e Tenda passaram por realidades diferentes ao longo do trimestre

São Paulo – A Gafisa registrou um prejuízo líquido consolidado de R$ 72,622 milhões no terceiro trimestre deste ano, revertendo um lucro líquido de R$ 13,486 milhões reportado em igual intervalo de 2015.

Apenas as operações da Gafisa reportaram um prejuízo líquido de R$ 95,7 milhões, enquanto o segmento Tenda apresentou um lucro de R$ 23,0 milhões.

O Ebitda ajustado consolidado foi de R$ 14,9 milhões no terceiro trimestre deste ano, representando uma retração de 84% em relação ao mesmo intervalo do ano passado. A margem Ebitda ajustada terminou o período em 2,8%, ante uma margem de 14,8% de um ano antes.

Apenas o segmento Gafisa teve um Ebitda ajustado negativo de R$ 15,7 milhões, enquanto o Ebitda de Tenda foi positivo em R$ 39,7 milhões.

“O Ebitda ajustado consolidado contempla o efeito da equivalência de Alphaville, enquanto que o Ebitda ajustado do segmento Gafisa é líquido desse efeito”, destaca a empresa.

A receita líquida consolidada da companhia terminou o terceiro trimestre em R$ 538,780 milhões, o que significou uma retração de 14% sobre o desempenho do mesmo período do ano passado.

O faturamento das operações da Gafisa somaram R$ 268,271 milhões, uma queda de 33% na comparação anual. Já a Tenda registrou uma receita líquida de R$ 270,509 milhões, uma alta de 22%.

Segundo a empresa, os segmentos Gafisa e Tenda passaram por realidades diferentes ao longo do trimestre.

“O segmento Gafisa, que segue sendo mais afetado pela deterioração do ambiente macroeconômico, busca dar continuidade à sua estratégia de aperfeiçoamento do nível de operações e gestão de negócios, em busca do adequado desenvolvimento de sua nova safra de projetos”, escreveu a empresa no comentário de desempenho.

Em relação à Tenda, a empresa afirma que este segmento segue ancorado pela “resiliência do mercado de baixa renda, apresentando maior consistência à expansão de seu modelo de negócios, mesmo diante das dificuldades do atual ambiente macroeconômico”.