Fusão entre Kroton e Estácio está na corda bamba no Cade

ÀS SETE - A tentativa da Kroton para assumir o posto de maior empresa de educação no mundo pode ser rejeitada pelo órgão antitruste ainda esta semana

Será julgada nesta quarta-feira a fusão das gigantes Kroton e Estácio, as duas maiores empresas privadas de educação superior do Brasil.

As últimas semanas foram conturbadas com as mudanças no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que pode aprovar, negar ou adiar a votação, caso haja pedido de vista. Juntas, as duas empresas somariam 1,5 milhão de alunos e 23% de participação no mercado brasileiro.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete  e comece o dia bem informado:

Na semana passada, novos nomes passaram a compor o Cade, às vésperas da decisão. O novo presidente agora é Alexandre Barreto de Souza, vaga que estava aberta há meses, e junto a ele chegou um novo conselheiro, Maurício Bandeira Maia — ambos nomeados pelo presidente Michel Temer.

Com a oficialização dos novos integrantes da bancada, a Kroton chegou a propor à Estácio, na quinta-feira, que o processo fosse retirado e só reapresentado de novo ao Cade em 90 dias, numa estratégia que ajudaria a ganhar tempo para convencer os dois novos membros a aprovarem a fusão.

A Kroton tem jogado duro na briga pelo posto de maior empresa de educação no mundo. No ano passado, com a aquisição da Anhanguera, a companhia havia conseguido superar a sua principal rival, a chinesa New Oriental, que vale 11,45 bilhões de dólares (cerca de 38 bilhões de reais).

O páreo é difícil, mas a Kroton, que vale hoje 22 bilhões de reais, agora espera dar um passo importante para ao menos voltar à disputa. Com a fusão com a Estácio, o grupo passa a ofertar 12.600 cursos de educação superior, em quase 700 municípios.

A concentração de mercado preocupa. A OAB, na segunda-feira, apresentou um parecer alertando para os riscos da fusão, que teriam como principal consequência a precarização do ensino superior privado no país.

Para contornar contestações desse tipo, que podem minar a fusão, a Kroton já se prepara para apresentar algumas alternativas. Uma das possibilidades para a empresa é se desfazer da Uniderp e de parte do ensino presencial da Anhanguera, como forma de ampliar as chances de fechar o acordo.

Mas a distância dos outros grupos é inegável. O segundo colocado seria o grupo Ser Educacional, que conta com 150.000 alunos, 10% da soma Kroton+Estácio. Dias difíceis para a concorrência estão por vir.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Luiz Roberto Souza

    O melhor é ter várias empresas para o aluno ter opção e competitividade, espero que o CADE não aprove.