Fundadores do Google desistem de ser os ‘Buffett’ da tecnologia

As “outras apostas“, que incluem os veículos autônomos da Waymo e a tecnologia de assistência médica Verily, tiveram prejuízo de US$ 3,4 bilhões em 2018

A renúncia dos fundadores do Google encerra um projeto de vários anos para transformar a empresa em uma Berkshire Hathaway da tecnologia, com a adoção do estilo de gestão sem muita interferência de Warren Buffett.

Larry Page e Sergey Brin criaram a holding Alphabet em 2015 para terem mais tempo para investir em novos negócios de tecnologia e deixar o Google sob o comando de Sundar Pichai. O modelo foi inspirado na abordagem de Buffett de alocar capital para negócios díspares e deixar que CEOs independentes decidam como executar as operações.

Na terça-feira, os fundadores do Google desmontaram de vez essa estrutura ao nomear Pichai como CEO do Google e da Alphabet. Pichai já estava ocupado administrando os gigantescos negócios de publicidade digital do Google e respondendo a investigações antitruste, ataques de políticos e protestos de funcionários. Agora os carros autônomos, projetos de assistência médica, cidades digitais, drones de entrega e balões provedores de Internet também são problemas de Pichai.

 

 

Para muitos na empresa, o objetivo e a estrutura da Alphabet nunca foram realmente claros. Colocar o presidente do Google, que responde por mais de 99% das receitas da Alphabet, à frente da holding poderia questionar todo o objetivo da Alphabet, disse um ex-funcionário sênior do Google. Outro ex-executivo do Google disse que a mudança deve colocar ainda mais pressão sobre Pichai. Os dois executivos não quiseram ser identificados.

Do ponto de vista financeiro, foi uma vitória para a Alphabet, pois mostrou aos investidores que a empresa não estava gastando muito em projetos ambiciosos exploratórios, destacando a enorme rentabilidade do Google.

Porém, operacionalmente, a estrutura é quase sempre tumultuada, com dificuldades de criar um negócio remotamente próximo ao Google em tamanho e escopo. Coletivamente, as “outras apostas“ da empresa, que incluem a unidade de veículos autônomos da Waymo e tecnologia de assistência médica Verily, tiveram prejuízo de US$ 3,4 bilhões em 2018 e quase US$ 1 bilhão no último trimestre.

–Com a colaboração de Gerrit De Vynck.