Ford tem queda de 26% nas vendas de veículos na China

Números mostram desafios do mercado chinês que vem desacelerando, mas também problemas da Ford ao redor do mundo

A montadora americana Ford vive tempos difíceis na China. A empresa divulgou nesta segunda-feira que as vendas no país asiático caíram 26% em 2019 na comparação com o ano anterior.

Em 2019, foram vendidos cerca de 568.000 veículos. No quarto trimestre, ente outubro e dezembro, as vendas caíram 15% na comparação com o mesmo período de 2018.

É o terceiro ano consecutivo de queda em terras chinesas: as vendas caíram 6% em 2017 e 37% em 2018. A empresa vende hoje metade do que vendia em 2016, último ano em que as vendas foram positivas.

“2019 foi um ano desafiador para o mercado automotivo chinês e para a Ford na China”, disse o presidente da Ford na China, Anning Chen, em nota divulgada pela empresa. “A pressão do ambiente externo e a tendência de queda no volume na indústria vai continuar em 2020, e vamos empregar mais esforços em fortalecer nosso portfólio de produtos com mais produtos com foco no consumidor e experiência do cliente, para mitigar as pressões externas e melhorar a lucratividade”, disse Chen. O executivo é o sétimo presidente da Ford na China em um período de apenas sete anos, mostra dos desafios que a montadora vem enfrentando na região.

A empresa, contudo, comemorou ao menos o fato de as vendas do fim do ano terem sido maiores que no terceiro trimestre e o fato de que a queda tem “diminuído”. Outra boa notícia foram as vendas de picapes, como o modelo Ford Ranger, que subiram 47% no ano.

Nem só a Ford foi afetada pelo mercado chinês. A General Motors, que tem na China seu principal mercado fora dos Estados Unidos, também anunciou queda de 15% em suas vendas no país em 2019.

O mercado chinês de automóveis vem desacelerando desde meados de 2018, à medida em que a economia passou a crescer menos e levou à redução da demanda dos consumidores no mercado interno.

A associação de montadoras na China (China Association of Automobile Manufacturers, ou CAAM) divulgou também nesta segunda-feira que as vendas de carros no país caíram 8% em 2019. Neste cenário, a associação aponta que as montadoras americanas perderam 1,5 ponto percentual em participação de mercado no país entre janeiro e novembro do ano passado. Juntas, as montadoras americanas têm cerca de 9% do mercado chinês, atrás das montadoras chinesas, japonesas e alemãs.  

A Ford divulgou números de vendas no ano também para os Estados Unidos, onde as vendas caíram 3% em 2019 na comparação com 2018. A maior queda está nos veículos populares, cujas vendas caíram mais de 28%.

No Brasil

Os relatórios divulgados hoje não trazem números de venda específicos sobre o Brasil ou a América Latina. Mas o momento da Ford também já foi melhor por aqui.

No país, a montadora passou de terceira marca mais vendida em veículos leves para somente a sexta mais vendida entre 2018 e 2019. A Ford fechou o ano passado com participação de mercado de 8,7% em veículos leves e cerca de 196.300 emplacamentos no acumulado entre janeiro e dezembro, segundo dados da Fenabrave.

No ano passado, a Ford decidiu encerrar as operações de sua fábrica em São Bernardo do Campo, em São Paulo. A planta fabricava caminhões da Ford e o carro popular Fiesta. A empresa continua tendo fábricas em Camaçari, na Bahia, e em Taubaté, no interior de São Paulo.

A líder em vendas de veículos leves no Brasil segue sendo a General Motors, com 19,05% do mercado e quase 431.000 emplacamentos. A GM fabrica o Chevrolet Ônix, carro mais vendido do país por cinco anos consecutivos. Em seguida vem a alemã Volkswagen, que tem 15,5% do mercado, seguida pela francesa Renault em terceiro e a coreana Hyundai em quarto.

A Ford teve em 2018 prejuízo de 1,5 bilhão de dólares em todos os seus mercados, mais de 500 milhões de dólares em prejuízo só na China. A expectativa para os números de 2019 é reduzir o prejuízo pela metade. A Ford divulga em fevereiro os resultados financeiros de 2019 e do quarto trimestre.