Feira de Milão pode vir para São Paulo

A Feira de Milão quer abrir uma filial na capital paulista. Queremos ter um espaço permanente em São Paulo, onde companhias européias e brasileiras possam expor seus produtos. Queremos aumentar o comércio entre Brasil e Itália , disse na terça-feira (4/6) Flavio Cattaneo, presidente da Fiera Milano Spa, empresa gestora da Feira. Cattaneo faz parte da comitiva de Adolfo Urso, ministro do Comércio Exterior da Itália, que esteve no Brasil entre 2 e 5 de junho.

A abertura de uma representação da Feira de Milão em São Paulo poderia trazer para o Brasil um novo modelo de gestão no setor. Desde 2000, a Feira é gerida por uma sociedade anônima, Fiera Milano Spa. Em fevereiro deste ano, a companhia decidiu abrir seu capital na Bolsa de Milão.

Anualmente, a Feira abriga 77 eventos, recebe 33 000 expositores (as empresas italianas presentes correspondem a 35% do PIB do país, estima a organização) e 5 milhões de visitantes. Ela movimenta 2,1 bilhão de euros e fatura 125 milhões.

O centro de exposição atual tem 375 mil metros quadrados, divididos em 26 pavilhões. Até 2004, um investimento superior a 500 milhões de euros erguerá um novo centro de exposições, com 345 mil metros quadrados dividos em 10 pavilhões.

Os eventos são de áreas diversas, como móveis, moda, decoração, tecnologia, bens de consumo e indústria mecânica. Mas os expositores têm uma coisa em comum: investem pesadamente em projetos sofisticados. São produtos com bom design, ou seja, funcionais, cômodos, bonitos e feitos em escala industrial , explica Cattaneo.

A comitiva esteve na terça-feira à noite na Embaixada da Itália, para a abertura da mostra “Il Design Italiano”, organizada pela Feira de Milão. A mostra apresenta produtos ganhadores do “Compasso D Oro”, maior prêmio de design industrial da Itália, e estará até 9 de junho na Embaixada da Itália, em Brasília, e de 12 a 23 de junho na Pinacoteca, em São Paulo.