Exército brasileiro negocia a compra de veículos blindados 4×4

Expectativa é que o contrato seja fechado ainda neste ano, segundo a montadora Iveco, vencedora da concorrência

São Paulo – O Ministério da Defesa está negociando a compra de um lote de 32 veículos 4×4 blindados para reforçar as missões do Exército. A expectativa da Iveco, vencedora da concorrência para a produção dos veículos, é que o contrato seja assinado em breve.

“Nossa expectativa é fechar o contrato ainda neste ano”, afirma Humberto Spinetti, diretor da ​Iveco Defence Vehicles, em entrevista a EXAME.

A marca foi escolhida para ser a fornecedora da nova Viatura Blindada Multitarefa – Leve sobre Rodas (LMV, na sigla em inglês) do Exército brasileiro. O modelo tem tração nas quatro rodas, ou seja, o sistema de transmissão distribui a força do motor para todas elas igualmente para o veículo ganhar força e aderência em pisos irregulares ou na subida, por exemplo.

De acordo com a Iveco, o LMV foi desenvolvido para operações militares e para o que o Exército chama de “garantia da ordem”, como por exemplo as ações durante a intervenção federal no Rio de Janeiro. Possui, entre outras características, proteção antimina e carrega dois sistemas de armas diferentes (manual ou automático).

veículo blindado Iveco LMV tem características militares, mas é mais leve do que os veículos conhecidos popularmente como “tanques”

LMV tem características militares, mas é mais leve do que os veículos conhecidos popularmente como “tanques” (Iveco/Divulgação)

Spinetti destaca que o modelo é mais ágil do que os veículos conhecidos popularmente como “tanques”, principalmente por ser mais leve. 

O Ministério da Defesa informou em nota que a ação está alinhada “às prioridades estabelecidas pelo plano estratégico do Exército Brasileiro e disponibilidades orçamentárias” e que, após a assinatura do contrato, com previsão para ocorrer neste ano, as primeiras viaturas devem ser recebidas em um prazo de 12 meses.

O LMV está dentro do projeto Guarani, blindado desenvolvido pela Iveco para o Exército brasileiro ainda em 2006. Pelo acordo fechado entre a montadora e o governo federal à época, a empresa é responsável pelo desenvolvimento do veículo, mas a propriedade intelectual é do Exército. 

O Guarani é um veículo 6×6 utilizado na infantaria e na cavalaria. Com “aparência” de tanques de guerra, pode transportar 11 pessoas, sendo o piloto, o comandante, o atirador e o restante da tropa. “O Guarani está preparado para três tipos de armas. Tem características de defesa, mesmo”, relata Spinetti. 

Guarani 6x6 Iveco O Guarani leva o nome do projeto desenvolvido pela marca para o Exército brasileiro

O Guarani leva o nome do projeto desenvolvido pela marca para o Exército brasileiro (Iveco/Divulgação)

Para fabricar os blindados, a Iveco investiu mais de 100 milhões de reais em uma planta em Sete Lagoas, Minas Gerais. 

produção Iveco Defesa Linha de produção da Iveco em Sete Lagoas, Minas Gerais

Linha de produção da Iveco em Sete Lagoas, Minas Gerais (Iveco/Divulgação)

A montadora iniciou a produção do modelo Guarani em 2013. Após entregar cerca de 200 unidades para testes do Exército, a Iveco assinou, em 2016, um contrato de 4,7 bilhões de reais até 2040 para o fornecimento de 1200  unidades do Guarani. A capacidade instalada da planta é de 120 unidades por ano e, atualmente, são produzidos, em média, 60 veículos Guarani anualmente.

O executivo da Iveco reforça que, apesar do momento difícil das contas públicas, os contratos para fornecimento de blindados estão no orçamento anual do Ministério da Defesa. “Estamos trabalhando há muitos anos nesse projeto e sempre tivemos discussões muito saudáveis com o Exército brasileiro, nunca sentimos entraves de cunho político.”