Etanol produz primeiro bilionário brasileiro

Rubens Ometto, da Cosan, é o primeiro brasileiro a figurar na lista de bilionários da Forbes a vir do setor de açúcar e álcool

O avanço dos biocombustíveis, sobretudo do etanol, já produziu seu primeiro bilionário no Brasil. Trata-se do empresário paulista Rubens Ometto, presidente da Cosan, maior produtora de açúcar e álcool do país – e do mundo. Com uma fortuna estimada em 2 bilhões de dólares, Ometto ingressou neste ano na lista dos homens mais ricos do mundo, publicada pela revista Forbes, e ocupa a 488ª posição no ranking geral. A relação só contempla pessoas com patrimônio acima de 1 bilhão de dólares.

Descendente de italianos que aportaram no Brasil em 1887, Ometto viu os negócios deslancharem na última década, na esteira da expansão do consumo de álcool e açúcar. Das 13 usinas que compõem o grupo, sete foram adquiridas nos últimos cinco anos. Entre 2001 e 2004, suas exportações de açúcar dobraram, e as de álcool quase triplicaram. Considerado por amigos e admiradores como visionários, tratado como megalomaníaco por seus desafetos, o fato é que Ometto construiu um império. Sozinho, sua produção de açúcar seria capaz de abastecer o Canadá por dois anos.

No último mês, porém, a Cosan sofreu uma dura derrota, ao perder a disputa pelo controle da usina Vale do Rosário para seus acionistas minoritários, que já detinham 49,8% do capital. Segunda maior produtora de açúcar e álcool do país, a Vale do Rosário ampliaria ainda mais a distância de Ometto para seus concorrentes. Estima-se que o negócio tenha saído por mais de 800 milhões de reais.

Outros bilionários brasileiros

Ometto ajudou a ampliar a presença dos brasileiros na lista da Forbes. No ano passado, eram 17 contemplados. Neste, 19. Além do presidente da Cosan, também entrou para a relação Eliezer Steinbruch, tio do presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, Benjamin Steibruch. A fortuna de Eliezer é estimada pela Forbes em 1,2 bilhão de dólares, o que o coloca como 799ª homem mais rico do mundo.

Encabeçando a lista dos brasileiros está o banqueiro Joseph Safra, do Banco Safra, em 119º lugar. O homem mais rico do Brasil possui uma fortuna estimada em 6 bilhões de dólares. Em seguida, aparece Jorge Paulo Lemann (4,9 bilhões de dólares), da Ambev, em 165º.

O homem mais rico do mundo, pelo 13º ano consecutivo é Bill Gates, fundador da Microsoft, com o patrimônio de 56 bilhões de dólares. Em segundo, e não muito atrás de Gates está o megainvestidor Warren Buffett, com 52 bilhões de dólares.

Entre os 10 mais ricos aparecem dois hispânicos: o empresário mexicano Carlos Slim (3º), da Telmex e o espanhol Amancio Ortega (8º), da marca de roupas Zara. A riqueza do mexicano, estimada em 49 milhões de dólares corresponde a 6,3% do PIB do seu país.

A lista de 2007 incluiu um número recorde de 946 bilionários. Foram 178 novatos, incluindo 19 russos, 14 indianos, 13 chineses e 10 hispânicos, assim como os primeiros bilionários do Chipre, Omã, Romênia e Sérvia. De acordo com a revista Forbes, os preços das commodities, além do forte mercado de capitais aumentou as fortunas, desde Madri até Mumbai.

As fortunas vieram de todos os setores, desde mídia até café e etanol. Dois terços dos presentes na lista do ano anterior estão ainda mais ricos e 17% estão mais pobres, incluindo os 32 que deixaram de fazer parte da lista. O valor líquido da lista subiu de 900 bilhões de dólares para 3,5 trilhões de dólares. A idade média dos bilionários é de 62 anos.