Enquanto Eike enfrenta julgamento, Porto do Açu é concluído

A "Roterdã dos trópicos” está perto de ser concluída, enquanto o idealizador do projeto se defende de acusações após império "X" entrar em colapso

Rio de Janeiro – O último dos blocos de concreto de 66 metros de comprimento está pronto para ser rebocado para o mar no momento em que o trabalho no porto privado mais caro da América Latina está mais perto de concluir. Para o idealizador do projeto, uma cerimônia de abertura a puro luxo não poderia estar mais distante da realidade.

O projeto do Porto do Açu, de R$ 6,3 bilhões (US$ 2,4 bilhões), no estado do Rio de Janeiro, é uma criação do empreendedor mais famoso do Brasil, Eike Batista. Enquanto o porto finalmente se torna operacional após atrasos e orçamentos estourados, Eike está ocupado defendendo-se das acusações de insider-trading depois que seu império das commodities entrou em colapso.

O Porto do Açu iniciou as operações em outubro, quando um navio carregado com 80.000 toneladas de minério de ferro partiu para a China de um terminal compartilhado pela Prumo Logística SA, a empresa que controla Açu, com a Anglo American Plc. Outro navio atracou no mês passado no berço da National Oilwell Varco Inc., maior fabricante americana de equipamentos para campos petrolíferos, enquanto a Technip SA, com sede em Paris, também amplia uma fábrica de canos flexíveis.

“Essa é uma nova fase”, disse o presidente da Prumo, Eduardo Parente, 43. “Estamos terminando a obra básica da infraestrutura do porto, terminando de equacionar a estrutura financeira, as conversas comerciais estão muito mais simples e já temos as primeiras operações”, disse ele, em visita ao porto neste mês.

Açu, que significa “grandioso” em tupi-guarani, compreende dois terminais ao longo da costa perto de São João da Barra, a cerca de 320 quilômetros a noroeste das famosas praias do Rio. O empreendimento, que ocupa cerca de 90 quilômetros quadrados, comercializa sua proximidade com os campos de petróleo da Bacia de Campos, fonte de cerca de 80 por cento da produção do Brasil, para possíveis clientes.

Após perder cerca de US$ 30 bilhões de sua fortuna pessoal, o envolvimento de Eike com o Porto do Açu foi reduzido para uma participação minoritária. Sobrecarregado por dívidas e pela falta de capital para concluir seus projetos, no ano passado ele entregou o controle à EIG Global Energy Partners LLC, o fundo de private-equity de US$ 15 bilhões com sede em Washington, que agora possui quase 60 por cento da Prumo.

A escala e as ambições do empreendimento também mudaram.

Cidade ‘X’

Quando Eike Batista iniciou a construção, em 2007, ele previa que o superporto seria a peça central que integraria seus empreendimentos de petróleo, logística e commodities. O projeto de Eike para Açu incluía um complexo industrial com montadoras e usinas siderúrgicas, além de um centro urbano anexo chamado de cidade “X”. Ele usava a letra X nos nomes de suas empresas porque dizia que a letra simbolizava a multiplicação da riqueza.

O porto seria o maior das Américas e estaria entre os três maiores do mundo, dizia Eike, incansavelmente, em seus discursos, com o terminal de minério de ferro inicialmente projetado para iniciar as operações em 2010. O projeto foi mostrado de helicóptero a jornalistas para que eles pudessem apreciar melhor sua magnitude.

“Vai se tornar a Roterdã dos trópicos”, disse ele, em uma mensagem em sua conta no Twitter em março de 2013, comparando o empreendimento com o porto de maior movimentação da Europa.

O empreendedor, cuja participação na Prumo será reduzida para menos de 10 por cento por não conseguir participar de um aumento de capital, no mês passado foi à primeira audiência de um julgamento histórico no Brasil sob a acusação de insider-trading e de manipulação de mercado. Uma segunda sessão, originalmente programada para 17 de dezembro, foi adiada para o início do ano que vem, de acordo com o tribunal que está julgando o caso.

Abordagem conservadora

Eike não respondeu a um pedido enviado por e-mail para comentar sobre o Porto do Açu.

A Prumo adotou uma postura mais conservadora para focar na entrega do porto e atrair clientes, em um momento em que as ações são negociadas a um valor próximo ao seu nível mais baixo desde 2008. A grandiosa cidade “X” de Eike e o centro siderúrgico, industrial e do cimento que ele previa foram descartados.

A empresa espera concluir a instalação dos 47 blocos de concreto necessários para o terminal 1 até abril e dos 42 blocos para o terminal 2 até julho. As unidades da Edison Chouest Offshore International e da Wartsila Oyj deverão começar no primeiro semestre de 2015. A Prumo também espera uma joint venture com a BP Plc para estabelecer um empreendimento de armazenagem e distribuição de combustível marítimo com início das operações no segundo semestre do ano que vem.

“Esse projeto ganhará força agora que entra na fase operacional e que as empresas estão estabelecendo suas bases”, disse Wagner Victer, que desenvolveu o porto-conceito originalmente em 2000, antes de apresentá-lo a Eike Batista quando foi secretário de Energia do Rio. “Ele se tornou realidade mesmo com todas as dificuldades e atrasos óbvios em projetos dessa magnitude”.