Engie leva lote 1, com deságio de 34,8%, em leilão de transmissão

A empresa ofereceu R$ 231,175 milhões de receita anual permitida (RAP), o que corresponde a um deságio de 34,8% em relação à máxima

São Paulo – O Consórcio Engie Brasil, formado por subsidiárias da empresa, venceu a disputa pelo lote 1 do leilão de transmissão que acontece nesta sexta-feira, 15, na sede da B3, em São Paulo.

A empresa ofereceu R$ 231,175 milhões de receita anual permitida (RAP), o que corresponde a um deságio de 34,8% em relação à RAP máxima de R$ 355.407.320,00.

Com isso, a Engie ingressa efetivamente no segmento de transmissão, conquistando sua primeira concessão. A geradora já havia disputado lotes no leilão anterior, mas não foi bem sucedida.

O lance da Engie superou outros três propostas: os indianos da Sterlite, que ofereceram R$ 244,3 milhões (deságio de 31,25%), o consórcio Campos Gerais, formado por Cteep e Copel, com lance de R$ 263 milhões, deságio de 26% e o Consórcio Olympus IV (formado por Alupar e Apollo), com R$ 378 milhões, com deságio de 1,99%. Outros dois proponentes se cadastraram para disputar o lote mas não apresentaram ofertas.

O lote 1 é composto pelas linhas de transmissão de 525 kV entre Ivaiporã – Ponta Grossa (somando 338 quilômetros) e entre Ponta Grossa – Bateias (somando 200 quilômetros); linhas de transmissão de 230 kV entre Ponta Grossa – São Mateus do Sul (93 quilômetros), Ponta Grossa – Ponta Grossa Sul (31 quilômetros), Areia – Guarapuava Oeste (68 quilômetros), Irati Norte – Ponta Grossa (64 quilômetros), União da Vitória Norte – São Mateus do Sul (103 quilômetros), Areia – União da Vitória Norte (53 quilômetros); além das subestações Ponta Grossa, Castro Norte, Guarapuava Oeste, Irati Norte e União da Vitória Norte e das interligações entre esses ativos, todos localizados no Paraná.

As instalações devem consumir R$ 2,017 bilhões em investimentos e devem entrar em operação em março de 2023.