Empresas não entendem Geração Y e prejudicam futuro, diz SAP

Falta de liderança comprometida os com funcionários e de metas claras de crescimento afastam jovens da Geração Y, segundo pesquisa da SAP e Oxford Economics

São Paulo – As empresas ainda não compreenderam o jovem da Geração Y e, por isso, não conseguem reter seus funcionários. Por isso, acabam sofrendo uma crise de talentos, tendo dificuldade em recrutar e reter jovens profissionais, comprometendo o desenvolvimento futuro.

Esta é a conclusão da pesquisa Workforce 2020, feita em conjunto pela SAP e pela Oxford Economics. A pesquisa entrevistou 2.718 executivos e 2.872 funcionários para entender quem é o jovem da Geração Y, o que ele quer e por que as empresas ainda não conseguem compreendê-lo.

Ao contrário do que se pensava, as demandas dos jovens nascidos nas décadas de 1980 e 1990 não são tão diferentes quanto das gerações anteriores, disse Marcelo Carvalho, diretor de recursos humanos para a SAP Brasil.

Entre os brasileiros, remuneração continua sendo importante para 70% dos entrevistados da Geração Y. Logo em seguida, está agenda flexível, importante para 45% dos funcionários, programas de treinamento complementares (39%) e local de trabalho flexível (39%).

Esses aspectos não são distantes das prioridades das gerações passadas. Por que, então, as empresas não estão conseguindo reter esses talentos? O problema está na liderança, afirma Carvalho.

Líderes comprometidos

”O que mais frustra esses jovens é a falta de uma direção, liderança clara”, constata o executivo.

Segundo ele, os funcionários esperam se desenvolver pessoalmente, porém o gestor não se engaja no crescimento de seus funcionários. Para 54% dos executivos brasileiros entrevistados, seus planos de crescimento são afetados pela falta de liderança adequada.

Ao não conseguir treinar os novos talentos, as empresas comprometem o próprio futuro. Segundo a pesquisa, dois terços das empresas não desenvolveram a força de trabalho de forma significativa para cumprir seus objetivos futuros.

Para reter esses talentos, ele afirma que é preciso uma comunicação clara entre gestor e funcionário sobre metas e objetivos, além de reforçar a importância do trabalho do jovem dentro da empresa e o que ele ainda precisa aprender.