Empresas brasileiras se unem para comprar porto de Eike

Segundo Valor Econômico, companhias do setor siderúrgico e de mineração tentam evitar que Porto Sudeste vá parar na mão de estrangeiros

São Paulo – Empresas brasileiras do setor siderúrgico e de mineração podem comprar o Porto Sudeste, da MMX, braço de mineração de Eike Batista. As informações são do Valor Econômico, desta terça-feira.

De acordo com a reportagem, a ideia é utilizar o porto para o escoamento de minério de ferro produzido no estado de Minas Gerais e destinado para exportação. Além disso, as companhias estão tentando evitar que empresas estrangeiras comprem a operação.

A MMX já havia confirmado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que mantém conversas com a Glencore Xstrata e a Trafigura. O Porto Sudeste tem capacidade de embarcar 50 milhões de toneladas de minério de ferro por ano.

Ainda segundo a reportagem, entre as companhias que operam no Brasil, a Usiminas, Gerdau e ArcelorMittal estariam interessadas no negócio. Já a Vale e a CSN enfrentariam problema com o Cade, uma vez que já possuem terminais portuários próprios.

As duas empresas, no entanto, poderiam ter uma participação indireta no operação, de acordo com a reportagem. Isso porque, A Vale, CSN, Gerdau e Usiminas são sócias na MRS Logística – que pode participar como minoritária no negócio.