Empresas brasileiras projetam maior faturamento

Pesquisa revela prognóstico de mais lucro, investimentos, empregos e salários para o segundo semestre

Empresários e executivos ouvidos na Pesquisa de Salários e Benefícios elaborada pela consultoria Deloitte acreditam que o segundo semestre de 2006 trará mais lucro, investimentos, empregos e salários. Participaram do levantamento 129 empresas das regiões Sul, Sudeste e Nordeste.

Entre as empresas pesquisadas, 64% acreditam em melhoria no faturamento ou expansão dos negócios. Apenas 30% acreditam na manutenção e 6% esperam retração nos negócios.

A margem de lucro deve aumentar para 56% das empresas consultadas, 38% confiam na estabilidade e 6% acham que haverá redução. Coerentes com este cenário, as empresas (64% do total) informam que deverão aumentar os investimentos na expansão do negócio, 30% pretendem conservar e apenas 6% esperam redução.

Mais de um terço (35%) das empresas pesquisadas pretende aumentar o número de contratações. Outras 56% deverão conservar o quadro, e 8% admitem demissões. O estudo revela ainda que 98% das empresas continuará investindo um percentual igual ou superior a 0,83% do seu faturamento líquido anual para o desenvolvimento dos seus profissionais neste ano. E 55% delas informam que o investimento será reforçado em relação ao ano anterior.

De acordo com a Deloitte, o orçamento da área de Recursos Humanos nos próximos dois anos terá crescimento em 35% nas empresas ouvidas, com maior ênfase de investimentos nas áreas de treinamento, tecnologia da informação, remuneração e comunicação interna. Em 38% das empresas, o orçamento será mantido estável.

Está previsto um crescimento no orçamento de algumas áreas de RH nos próximos dois anos, principalmente Treinamento e Desenvolvimento (80%), Tecnologia da Informação (33%), Comunicação Interna (28%), Medicina do Trabalho, Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional (28%), Remuneração (28%), Benefícios (10%), Recrutamento e Seleção (10%) e Departamento Pessoal (5%).

Os salários foram beneficiados pelos bons resultados econômicos e financeiros. A tendência de aumento percentual da folha de pagamento (salários nominais) em decorrência dos aumentos reais para 2006 será de 3%. O Programa de Participação nos Resultados está presente em 81% das empresas pesquisadas. Em 92% delas, o programa está enquadrado na Lei 10.101/00, recebendo incentivos fiscais (encargos sociais e trabalhistas).