A liderança pode ser desenvolvida?

Por Fábio Pajaro, empresário

 

Durante nossa carreira profissional, nos deparamos com pessoas de diferentes perfis na hora. Eu mesmo, em toda a minha trajetória como empresário, já trabalhei com os mais diversos tipos de colaboradores em minhas equipes. Dentre eles, talvez os que mais tenham se destacado são aqueles que mostraram uma maior inclinação para a liderança. Notei que, à medida que isso acontecia, muitos outros membros dos times passaram a utilizar um discurso de que não tinham perfil para serem gestores. 

Diante deste tipo de situação, comecei a me questionar sobre esta qualidade, que tantos profissionais almejam. Afinal, a liderança é um dom ou uma habilidade capaz de ser desenvolvida? Após muito observar as equipes que liderei, notei que, assim como a maioria dos talentos profissionais, este é um que demanda muita dedicação, mas pode ser desenvolvido por qualquer um. Basta querer.  

O primeiro passo para ser um líder é estar disposto a assumir responsabilidades, tendo consciência de que, apesar de não ser uma tarefa fácil, é preciso manter a inteligência emocional para que suas inseguranças não afetem a equipe como um todo. Ao mesmo tempo, não coloque tudo sobre os seus ombros. Afinal, quando tentamos fazer tudo, não conseguimos fazer nada de forma eficiente. 

É preciso reconhecer suas limitações. Sim, até mesmos os líderes as têm e isso é completamente normal. Nestas horas é que a confiança no trabalho de sua equipe é essencial para que se alcance o resultado esperado. Como líder, podemos – e devemos – moldar os colaboradores da maneira que acreditamos que será mais vantajoso para o trabalho. Claro que, tudo isso, sem deixar de lado o fato de que cada um dos profissionais é um indivíduo diferente e que essa diversidade enriquece o ambiente profissional.  

A tomada de decisões é um outro fator que líderes não podem temer. Afinal, devem fazer isso todos os dias. No entanto, mais uma vez, é preciso ter consciência do ambiente coletivo no qual está vivendo. Não adianta nada ter confiança o suficiente para tomar as decisões necessárias se as medidas não estão sendo alinhadas com o restante da equipe. Mais uma vez, a proximidade com os colaboradores se mostra necessária para que o clima se mantenha harmônico.  

Por fim, não podemos pensar que, ao alcançarmos um cargo de liderança, chegamos ao último patamar de crescimento de nossas carreiras profissionais. Não estagne. O mundo está em constante transformação e um verdadeiro líder precisa estar antenado em todas as mudanças e tendências não só de seu segmento, mas também daqueles que estão relacionados a ele.