Dona do Google lucra US$ 3,195 bilhões no 2º trimestre, queda de 9,3%

Resultado sofre efeito das multas aplicadas pela Comissão Europeia contra a Alphabet devido a infrações da companhia à lei de concorrência

São Paulo – A Alphabet, controladora do Google, registrou lucro líquido de US$ 3,195 bilhões no segundo trimestre deste ano, o equivalente a US$ 4,54 por ação.

O resultado mostrou recuo do lucro da companhia em relação ao mesmo período do ano passado, quando a Alphabet havia registrado ganho de US$ 3,524 bilhões, ou US$ 5,01 por ação.

Com ajustes, porém, o lucro foi de US$ 8,266 bilhões entre abril e junho, o equivalente a US$ 11,75 por ação, em uma marca bastante acima do esperado por analistas consultados pela FactSet, que previam lucro de US$ 9,66 por ação.

Os resultados com ajustes retiram o efeito das multas aplicadas pela Comissão Europeia contra a Alphabet devido a infrações da companhia à lei de concorrência.

Com os números com ajustes acima do esperado, a ação da Alphabet apresentou forte avanço nos negócios do after hours em Nova York, após a divulgação do balanço. Às 17h38 (de Brasília), o papel da companhia saltava 4,00%, para US$ 1.259,45.

A receita, por sua vez, registrou crescimento de 26%, passando de US$ 26,01 bilhões para US$ 32,657 bilhões. O resultado superou as estimativas dos analistas ouvidos pela FactSet, que apontam para receita de US$ 25,58 bilhões.

“Apresentamos mais um trimestre de desempenho muito forte. Nossos investimentos estão gerando ótimas experiências para os usuários, bons resultados para anunciantes e novas oportunidades de negócios”, disse a diretora-financeira (CFO) da Alphabet, Ruth Porat.

Os custos totais de aquisição de tráfego do Google, que são as taxas pagas a sites parceiros que veiculam anúncios ou serviços do Google, somaram US$ 6,420 bilhões entre abril e junho, representando 23% do total de receitas de publicidade da empresa. No segundo trimestre de 2017, os custos totais foram de US$ 5,091 bilhões.

Já o custo agregado por clique, medida que revela quanto os anunciantes pagam pelos clique dos usuários nos links, mostrou recuo de 22% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior.

Na comparação com o período entre janeiro e março deste ano, houve queda de 10% do indicador. O volume de cliques pagos, por sua vez, apresentou salto de 58% ante o segundo trimestre de 2017, enquanto houve alta de 15% na comparação com o primeiro trimestre deste ano.