Dívida líquida do grupo JBS cresce 4% no 2º trimestre

Já o endividamento bruto da JBS em junho deste ano era de R$ 35,012 bilhões, alta de 8,1% na comparação com o trimestre anterior

São Paulo – A dívida líquida do grupo JBS totalizou R$ 24,714 bilhões ao final do segundo trimestre de 2014, aumento de 4,4% na comparação com o montante de R$ 23,679 bilhões ao final do primeiro trimestre deste ano.

Já o índice de alavancagem, medido pela relação entre a dívida líquida e o Ebitda da companhia, caiu para em 3,15 vezes ante um grau de 3,26 vezes registrado ao final de março de 2014.

Em relatório de resultados divulgado pela companhia, a administração da JBS explica que a emissão de títulos de dívidas (bonds) realizada em junho permitiu que a alimentícia reduzisse o custo financeiro e estendesse o perfil de sua dívida.

O endividamento bruto da JBS em junho deste ano era de R$ 35,012 bilhões, alta de 8,1% na comparação com o trimestre imediatamente anterior. Desse total, R$ 9,894 bilhões, ou 35%, têm vencimento no curto prazo e R$ 25,117 bilhões, ou 65%, no longo prazo.

Ao final do segundo trimestre, 77% da dívida consolidada da JBS estava denominada em dólares americanos e possuía um custo médio de 5,67% ao ano. A dívida em reais correspondia a 23% do endividamento total, com um custo médio de 11,25% a.a.

O resultado financeiro líquido consolidado da JBS de abril a junho ficou em R$ 1,807 bilhão, valor 64,9% superior ao segundo trimestre de 2013.

“No trimestre, o custo de carrego do hedge, que foi de aproximadamente R$ 350,0 milhões, em adição a valorização do real no período impactaram o resultado financeiro da JBS. Além disso, os juros passivos foram impactados pelo pagamento do prêmio de US$ 40,7 milhões (R$ 90,4 milhões) referente ao prêmio de liquidação antecipada das Notas 2016 da JBS S.A. e Notas 2016 da Bertin S.A”, explica a companhia.

De abril a junho, a companhia totalizou uma geração de caixa de R$ 147,3 milhões. O resultado, segundo a JBS, é reflexo do aumento dos preços médios e da forte expansão das vendas, além do crescimento de 45% das exportações da JBS no trimestre.

JBS Foods

A unidade de frangos, suínos e industrializados da JBS no Brasil, a JBS Foods, reportou Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 440,4 milhões entre abril e junho deste ano, valor que representa um crescimento de 15,9% na comparação com o primeiro trimestre de 2014. A Margem Ebitda subiu 0,6 pontos porcentuais, passando de 13,7% no primeiro trimestre de 2014 para 14,3% no segundo trimestre.

O segmento, que inclui as operações da Seara, adquirida em setembro de 2013, apresentou ainda uma receita líquida de R$ 3,084 bilhões, alta de 11% na mesma base de comparação.

“Esse aumento deve-se principalmente a um crescimento no volume em ambos os mercados, doméstico e externo, aliado a um crescimento dos preços médios no mercado doméstico e um crescimento de 11,0% nos preços de exportação de suínos in natura”, comentou a administração da companhia em relatório de resultados.

No mercado doméstico, a divisão vendeu, em volume, 227,9 mil toneladas, aumento de 3,8% na comparação com o primeiro trimestre, totalizando uma receita líquida de R$ 1,405 bilhão. De abril a junho, a JBS Foods também exportou 342 mil toneladas, alcançando uma receita de R$ 1,679 bilhão.

Este é o segundo trimestre que a alimentícia divulga os resultados da unidade. Segundo fontes ouvidas pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, a JBS planeja realizar a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da JBS Foods no segundo semestre deste ano. Ainda de acordo com as fontes, a operação deve movimentar entre R$ 3 bilhões e R$ 5 bilhões.