Zoo Urbano: maior zoológico de arte sustentável a céu aberto volta a SP

Zoo Urbano retorna à capital paulista neste fim de ano em exposição gratuita de esculturas de animais gigantes feitas com materiais reciclados e reaproveitados! A ação acontece de 10 de novembro a 15 de dezembro. Parque do Ibirapuera, São Paulo – SP

O projeto tem como principal filosofia a Consciência Coletiva através do engajamento de artistas com obras gigantes que conscientizem sobre o impacto do plástico e resíduos no meio ambiente, o tráfico de animais silvestres e a importância da preservação da vida marinha.

Uma interpretação artística, por meio de esculturas gigantes, sobre as questões ambientais do Brasil e do Mundo.

Esse é o Zoo Urbano, O maior zoológico de arte sustentável a céu aberto do Mundo.

Os artistas Bel Borba, O Teia, Fábio Souza e Subtu apresentarão suas obras de animais gigantes feitas exclusivamente com materiais reciclados no Parque do Ibirapuera entre 10 de novembro e 15 de dezembro de 2019.

Todas as obras são feitas apenas utilizando materiais reciclados e reaproveitados, interceptando o descarte irregular e ressignificando em arte aquilo que viria a poluir a cidade e o meio ambiente.

Em todas as edições, os artistas do Zoo Urbano trabalham em parceria com entidades ambientais como Tamar, Instituto Argonauta, Aquário Marinho do Rio, entre outros. A escolha dos animais a serem esculpidos é baseada na problemática enfrentada por estas entidades de proteção ao meio ambiente.

Nesta edição do Zoo Urbano, a entidade participante é o CRAS (Centro de Recuperação de Animais Silvestres) do Parque Ecológico do Tietê, com a finalidade conscientizar a população sobre o tráfico e criação ilegal de animais silvestres brasileiros.

O baiano Bel Borba, idealizador do Zoo Urbano, está produzindo um animal gigante inteiramente feito com chapas retiradas de veículos.

Subtu, street artist, apresentará um macaco gigante feito com 212.439 canudinhos plásticos retirados das lixeiras de shoppings, batendo o recorde mundial de escultura de canudos. Nesta escultura os visitantes poderão “entrar” na cabeça do macaco e ver o que ele pensa sobre nós.

O Teia desenvolverá uma aranha gigante com fios e cabos descartados irregularmente no ambiente, levantando uma discussão sobre este tipo de lixo eletrônico que é produzido em larga escala e raramente reciclado.

Fábio Souza apresentará uma arara canindé com asas de 6 metros de envergadura feita com gaiolas apreendidas de criadouros irregulares de animais silvestres cedidas pelo CRAS.

Com esculturas gigantes e sustentáveis, o Zoo Urbano promove a consciência ambiental e leva a arte para os visitantes por meio de uma inesquecível experiência cultural e interativa.

Durante os 35 dias de exposição são esperados mais de 2 milhões de visitantes para esta edição entre frequentadores do parque, escolas, ambientalistas e entidades que se preocupam com o maio ambiente.

Após a exposição no parque do Ibirapuera, esta edição do Zoo Urbano circulará em outros parques de São Paulo e Rio de Janeiro.

Website: http://zoourbano.com.br