Robô cirurgião mais moderno do mundo chega em Brasília

A maior rede hospitalar privada do Distrito Federal – o Grupo Santa Lúcia – acaba de adquirir o novo sistema cirúrgico robótico considerado o mais moderno do segmento no mundo: Da Vinci XI. Com um novo design com imagens em 3D HD e visão cristalina, o robô possui quatro braços mais finos e de longo alcance ótica. A articulação dos instrumentos possui movimentos de rotação e angulação – melhores que da própria mão humana – e com tecnologias de filtro de tremores e movimentos intuitivos, permitindo ao cirurgião operar com movimentos totalmente precisos e naturais.

Os hospitais do Grupo Santa, que realizam cerca de 2.500 procedimentos cirúrgicos por mês e já conta com recursos tecnológicos modernos e de última geração, poderão realizar mais cirurgias minimamente invasivas e de alta complexidade de diversas especialidades, como urologia, cirurgia geral, ginecologia, cabeça e pescoço, torácica, cardíaca e outros. Isso porque, o Da Vinci XI é ideal para cirurgias que envolvam grande detalhamento anatômico ou procedimentos realizados em pequenos espaços e cavidades que a mão humana não conseguiria alcançar.

Para o paciente, isso significa cirurgias menos invasivas, mais precisas e seguras e com menos tempo de internação, já que o equipamento permite o usuário se recuperar com maior rapidez. “O Hospital Santa Lúcia sempre esteve atento às novas tendências da medicina e vem recebendo importantes investimentos tecnológicos e científicos para melhorar o conforto, a segurança e a privacidade dos nossos pacientes. Com o Da Vinci XI esperamos complementar esta experiência e qualidade”, afirma o CEO do Grupo Santa Lúcia, Dr. Raul Sturari. Com investimento de cerca de R$ 14 milhões, o robô estará disponível em junho, na unidade do Hospital Santa Lúcia Norte, da Asa Norte.

Como funciona – Denominado oficialmente por The da Vinci Surgical System, o robô possui quatro braços, sendo que um deles carrega uma câmera, enquanto os outros três ficam livres para portar instrumentos cirúrgicos. O ato cirúrgico é guiado por imagens fornecidas pela câmera introduzida no corpo do paciente. O médico realiza a cirurgia a partir de uma mesa de controle. A movimentação dos instrumentos se faz pelo manuseio de dedais delicados. À medida que move as mãos e os dedos, o robô reproduz seus movimentos dentro do corpo do paciente. Se o médico tirar o rosto da tela de controle, por exemplo, o robô para automaticamente por segurança. Além de um cirurgião no controle, outro fica ao lado do paciente para eventuais necessidades auxiliares. Um vídeo demonstração, publicado no canal Da Vinci Surgery, registra a precisão do equipamento: nele é possível observar um profissional especializado conseguindo “costurar” a casca de uma uva dentro de uma garrafa (veja aqui).

Diferenciais do Da Vinci XI:

• Visão 3D altamente ampliada, permitindo ao cirurgião a verdadeira percepção de profundidade e imagem cristalina;

• Braços finos e de longo alcance;

• Alvo anatômico: após a inserção dos portais, o laser será direcionado para o primeiro portal do endoscópio, após a inserção da ótica, a nova geração da Vinci® Xi irá configurar os braços de forma otimizada para o procedimento;

• Tudo em UM na nova geração, pois não será necessário a utilização de capas, o equilíbrio do branco, foco e calibração será feito automaticamente. Basta um pen drive para o cirurgião capturar quantas ele desejar, tudo isso, com apenas um click;

• Imagem por fluorescência, selador de vasos e grampeador. Todos itens já estão integrados na nova geração.

A H. Strattner & Cia é a representante exclusiva da Instuitive Surgical no Brasil e a responsável por trazer a tecnologia Da Vinci no país. Segundo a entendida, há 16 unidades do modelo XI no território brasileiro e o Grupo Santa Lúcia é o primeiro a adquirir a tecnologia em todo o Centro-Oeste.