Por que os brasileiros investem pouco no mercado financeiro?

Na Bolsa, há 500 mil investidores cadastrados. No Tesouro Direto, 1,2 milhão. Os números crescem a cada dia, mostrando que o brasileiro começa a despertar para as possibilidades de rendimento do mercado financeiro, mas, se olharmos essas estatísticas sob a ótica da população total do país – 200 milhões de pessoas – podemos confirmar que os dados ainda são tímidos, muito menores que nos países desenvolvidos e que em alguns países latino-americanos, como a Colômbia, por exemplo, que tem mais de 3 milhões de investidores na bolsa de valores. Qual é a razão para a grande maioria dos brasileiros nunca ter investido no mercado financeiro?

A primeira delas poderia ser a questão da renda, uma vez que ¼ da população do Brasil vive abaixo da linha da pobreza*. Discussões políticas e sociais à parte, a questão é que a carência chega à educação financeira, quase inexistente no país. Os números falam por si: em 2015, mais de 130 milhões de brasileiros mantinham algum relacionamento bancário**. Mas nem 1% desses investe no Tesouro Direto ou na Bolsa de Valores.

A BUSCA PELO ELO PERDIDO
Em um levantamento inédito, a especialista da Empiricus Research, Beatriz Cutait, que assina a newsletter Bonds & Buys e o relatório Você Investidor, perguntou aos seus leitores: qual é a principal razão para você nunca ter aplicado no mercado financeiro?

O questionário tinha seis respostas possíveis: investir é muito caro / medo de perder todo patrimônio / desconhecimento do mercado financeiro e de economia como um todo / não saber por onde começar / não conseguir poupar dinheiro de forma periódica / receio de precisar do dinheiro de uma hora para a outra / preguiça: investir dá trabalho!

“Em uma semana, duas mil pessoas responderam ao nosso questionamento. 26% dos entrevistados responderam que o desconhecimento do mercado financeiro e de economia como um todo era o principal motivo”, conta Beatriz.
“O resultado reforça que promover a educação financeira é fundamental para criar uma cultura de investimentos no Brasil. Mostrar que o universo financeiro não é um bicho de sete cabeças como a maioria das pessoas pensa. Nesse sentido, temos quebrado paradigmas”, diz a especialista.

Essa quebra de paradigmas fica evidente quando Beatriz cita os resultados de outra pesquisa realizada pela Empiricus em março deste ano. “Os leitores afirmaram que, depois de conhecer a Empiricus, seu conhecimento sobre investimentos aumentou (94%) e que estão mais confiantes para investir (92%). Neste trabalho, realizado pela Kyra Pesquisa de Mercado e Consultoria, foi utilizada uma metodologia chancelada pela Universidade Geroge Washington que já foi aplicada em 15 países.

A Empiricus Research é a primeira empresa independente de publicações de análises financeiras do Brasil. Beatriz conclui dizendo que “oferecemos hoje 20 planos de assinatura que vão da versão gratuita ao plano vitalício. O que queremos é democratizar o acesso a informações do universo econômico, ajudando a promover educação financeira. Acreditamos, assim, que todo mundo pode aprender a investir e conversar de igual para igual com seu gerente do banco para dar um melhor destino ao seu dinheiro”.

*o IBGE considera na linha da pobreza famílias com renda abaixo de R$ 150 mensais por pessoa.
** dados do Relatório de Inclusão Financeira do Banco Central.