Pioneira em implantes dentários investe R$ 20 milhões para dobrar de tamanho

A Implacil De Bortoli completa 36 anos em 2018 com um aporte de R$ 20 milhões e projeções ambiciosas. Pioneira no setor de implantes dentários e com material reconhecido cientificamente como o de maior osseointegração do mundo, a empresa destinará esse investimento para ampliar a unidade fabril no bairro paulistano do Cambuci e horizontalizar a rede de distribuição.

A meta é fazer a capacidade produtiva dobrar em um ano e assumir, já em 2019, a vice-liderança de mercado. “Nosso plano é chegar a R$ 45 milhões de faturamento ainda este ano, 35% a mais do que em 2017, e aumentar de 15 para 20 o número de estados atendidos”, almeja o CEO Aluizio Canto.

A perspectiva do empresário vai ao encontro do expressivo crescimento da demanda por implantes dentários no país, onde são realizadas 800 mil cirurgias por ano, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Médica, Odontológica e Hospitalar (Abimo). O Brasil já é o segundo mercado global, atrás apenas dos Estados Unidos. O setor movimenta R$ 800 milhões e deve manter esse ritmo impulsionado pela elevação do número de pessoas desdentadas. O Ministério da Saúde aponta que os brasileiros já perderam cinco dos 32 dentes aos 28 anos, enquanto aos 50 esse número triplica.

De 2011 até hoje, o faturamento cresceu 3,5 vezes, resultado de uma profunda mudança no modelo de gestão que teve início no ano seguinte. Até então sob administração familiar, a Implacil instituiu a figura do CEO para profissionalizar as operações e disseminar os atributos de seus implantes em escala mundial. Ainda em 2012, uma pesquisa da revista europeia Quintessence International atribuiu aos implantes da empresa um nível de eficácia superior ao de marcas líderes globais, com o índice de osseointegração de 92,7%.

Posteriormente, surgiram também os reconhecimentos da Clinical Oral Implants Research e The International Journal of Maxilofacial Implants, que contribuíram para respaldar a incursão no mercado externo. As exportações para países como Itália, Espanha, Colômbia, Uruguai, Chile e Peru totalizam 5% do volume de negócios. “A projeção internacional serviu de estímulo para injetar recursos em pesquisa e parcerias com universidades dos Estados Unidos e da Europa. O resultado foi a criação do implante due-cone, mundialmente patenteado”, acrescenta Aluizio Canto.

Trajetória empreendedora

Nos últimos quatro anos, fundos de investimento estrangeiros cobiçaram a Implacil, mas a empresa decidiu manter sua essência nacional, calcada nos estudos de especialistas em implantologia. Apesar da fundação em 1982, sua trajetória remonta a 1972, quando o cirurgião dentista Nilton De Bortoli decidiu ir aos Estados Unidos para participar de cursos de especialização sobre implantes dentários – novidades mundiais à época.

O aprendizado obtido no Exterior garantiu subsídios para a organização inédita de programas de formação no Brasil, no início dos anos 80. Até hoje, a família De Bortoli ministra cursos na Fundação Faculdade de Odontologia (Fundecto) da Universidade de São Paulo e na Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD).

Em princípio, os produtos eram importados para viabilizar a realização das aulas e também para atendimento a pacientes em consultório. O processo esbarrava em uma série de burocracias impostas pelos organismos de saúde brasileiros. Porém, a dificuldade serviu de impulso para a criação da primeira fábrica de implantes osseointegrados no país, constituída por De Bortoli e seus dois filhos – Nilton de Bortoli Júnior e Mário Sérgio De Bortoli.

O domínio que detinham sobre o tema, desde procedimentos cirúrgicos até as últimas inovações científicas e tecnológicas, facilitou a tarefa de desenvolver a produção nacional com qualidade similar à dos fornecedores internacionais. Além da demanda por implantes dentários, a família criou uma carteira fiel de clientes por meio dos próprios cursos. “Cerca de um terço dos 60 mil dentistas especializados em implantologia no país passaram pelas mãos dos De Bortoli”, reforça Aluizio Canto.

A primeira máquina foi importada em 1982 e a produção quase artesanal limitava-se a menos de mil unidades por mês. Foi assim até 2003, quando a empresa decidiu ampliar o maquinário. Com os Bortoli ocupados entre a clínica, cursos e fábrica, a Implacil mantinha um único canal de marketing: o boca a boca dos dentistas. Em congressos de odontologia e fóruns científicos, os cirurgiões dentistas inscreviam seus casos de sucesso e a qualidade dos implantes ganhava destaque com certificados e reconhecimento. “A história ajuda a sustentar a excelência da marca e nos dá consistência para chegar ao topo”, acredita o executivo.

Website: http://implacil.com.br