Pesquisa aponta que se recuperar de uma demissão é mais difícil do que superar o divórcio ou ficar viúvo

Segundo dados de uma pesquisa realizada pela Universidade de East Anglia e do What Works Center for Wellbeing, um órgão independente montado pelo governo do Reino Unido, divulgados no mês de abril, funcionários que passam por um processo de demissão encontram mais dificuldade e levam mais tempo para recuperar completamente o nível de bem-estar, do que quando passam pela perda de um cônjuge ou passam por um processo de divórcio.

O nível de bem-estar ao qual se refere a pesquisa trata-se de um indicador que inclui saúde mental, autoestima e satisfação com a vida.

De acordo com o estudo, os homens têm maior probabilidade de sofrer mais com esse abalo do que as mulheres e o impacto de ser demitido é ainda mais acentuado entre trabalhadores mais jovens. Segundo a Doutoranda em Psicologia e Especialista em Desenvolvimento do Potencial Humano Gaya Machado, esta queda tão acentuada nos índices de bem-estar provavelmente está relacionada com o fato de que nossa sociedade vincular ter emprego com a ideia de ter objetivos, de estar, de alguma maneira, contribuindo para o mundo, além de alimentar uma espécie de status.

Gaya Machado explica que existem, comprovadamente, ferramentas na área do desenvolvimento do potencial humano que ajudam a superar momentos de crise como o causado por uma demissão. A especialista destaca cinco deles:

1. Compreender que a provação promove superação: precisamos eliminar o mito de que nascemos prontos. Quando tudo vai bem na vida, temos uma tendência natural ao conformismo. Já quando surgem os obstáculos, nos movemos a superá-los e isso nos ajuda a evoluir, desenvolver novas habilidades e ampliar nossos limites.

2. Ampliar o senso de visão: temos a tendência de olhar para nossa vida apenas a curto prazo, prestando atenção apenas nos impactos imediatos do que nos acontece. Mas é preciso ampliar nosso senso de visão. Quando olhamos a médio e longo prazo para algo que, em uma impressão imediata parece negativo, podemos perceber que o que hoje parece provação, pode ser, na verdade, a mudança de rumo que nossa vida precisava para ir mais além. Steve Jobs contava que só pôde ser quem se tornou porque a vida o quebrou inúmeras vezes – não pôde concluir a faculdade, foi demitido da própria empresa… Todos os obstáculos foram a mola propulsora para levá-lo mais além!

3. Rever planos: os momentos de mudanças são grandes oportunidades para revermos nossos planos e ajustarmos a rota para alcançarmos nossos objetivos. Nestas horas, temos a oportunidade de encontrar maneiras mais simples e eficazes de chegarmos a lugares que, de outra maneira, demoraríamos muito mais para alcançar. O pensador e filósofo chinês, Confúcio, disse que você não pode mudar o vento, mas pode ajustar as velas do barco para chegar onde quer.

4. Assumir uma atitude de coragem frente à vida: muitas pessoas acreditam que ter coragem significa ausência de medo, mas a origem da palavra nos mostra que seu significado é exatamente o oposto disso. Coragem vem de COR – coração e AGE – agir, ou seja, agir com o coração a despeito do medo. Muitas situações da nossa vida nos deixarão com receio, mas podemos, ainda assim agir com o coração e enfrentar o medo em busca de nossos objetivos e de algo maior.

5. Não se abater pelas circunstâncias: pesquisas na área da psicologia positiva dão conta de que o nosso estado geral de felicidade é impactado em apenas 10% pelas coisas que nos acontecem, as circunstâncias, 50% deste total é guiado por nossa genética e 40% é escolha individual de cada um. Isso significa que você, através de seus pensamentos e atitudes, tem o poder de decidir se será ou não feliz. Portanto, aja hoje para construir o seu futuro, alimente emoções positivas em relação a ele e fique tranquilo de que, as coisas que te acontecem, ainda que não saiam como você gostaria, impactam em apenas 10% no seu índice de felicidade. É possível escolher ser feliz.