Falsificação de produtos: como não cair nessa?

A falsificação de produtos é um problema sério no país e, nem mesmo grandes marcas estão livres de passar por isso. Os problemas vão muito além da distribuição de produtos sem qualidade: impactam a economia e até mesmo a geração de empregos.

Em dezembro de 2018, o Fórum Nacional contra a Pirataria e Ilegalidade, FNCP, divulgou que a sonegação fiscal causa, todos os anos, prejuízo que ultrapassa os R$ 115 bilhões – tanto para o setor privado, quanto o público.  Além disso, a Confederação Nacional da Indústria, CNI, apontou que a pirataria de produtos deixa de gerar 1,5 milhões de empregos todos os anos. 

Como agir, então, diante de um cenário tão preocupante? Rodrigo de Oliveira, sócio-fundador da AcessoShop, e-commerce de suprimentos e maquinário de impressão, afirma que a única maneira de não cair em golpes é tendo acesso à informação. 

“Os produtos piratas também estão presentes no mercado de impressoras. Pensando nisso, desenvolvemos um e-book e elencamos todos os pontos de atenção para garantir a originalidade de um produto adquirido”, diz. Abaixo, o profissional compartilha o seu conhecimento e ajuda na prevenção de fraudes. 

Tipografia da caixa

Logo de cara, já existe um item que demanda atenção: o layout da caixa. Os produtos falsos, costumam ter letras, logos e cores com pequenas diferenças. Outro ponto que entrega a falsificação são às extremidades da caixa vazia”. “Se todas as informações e elementos gráficos da caixa estiverem centralizados, desconfie”, diz Rodrigo. 

Além disso, costumam existir sobras da embalagem após a dobra. “Se uma parte impressa de um lado da caixa sobra, e aparece do outro lado, atenção. Isso não acontece em embalagens de produtos originais. Também observe a gramatura do papelão: se ele for muito fino, desconfie”, complementa. 

Para finalizar a primeira parte, Rodrigo diz que é preciso olhar com cuidado se existe a opção de abrir a caixa pelos dois lados: os produtos originais não dão essa opção. 

Código do produto

Para Rodrigo, essa é uma das dicas mais fáceis de identificar. “Se o cliente já comprou dois ou mais toners, verá que existe um código de identificação dos produtos, impresso na parte traseira da embalagem. Este, é único para cada produto, mesmo quando são do mesmo modelo. No caso de toners falsos, o código será sempre o mesmo, indicando que algo está errado”, aponta.

Selo holográfico 

Embora as empresas de impressoras disponibilizem uma leitura de selo pelo seu próprio aplicativo, os falsificadores já conseguem fraudar. Porém, ainda existe uma maneira de identificar: pelo tamanho.

O selo original sempre possui 2,6cm x 2,6cm, enquanto os falsificados, são retangulares e mais estreitos, medindo 2,1cm x 2,6cm. Outro ponto de atenção: às vezes, os selos falsificados possuem um desenho de gota de tinta ou a palavra “Ink”. 

Produtos com origem idônea

No mercado desde há mais de quinze anos, a AcessoShop trabalha com preços e diferenciais notáveis. 

Entre os pontos fortes da marca, estão: garantia estendida por nove meses, amplas formas de pagamento – incluindo boleto e cartões de crédito – sem juros. 

Entre as marcas comercializadas, estão: HP, Lexmark, Xerox, Konica Minolta, Kyocera, Ricon, Okidata e Epson, garantindo a qualidade de toners, cartuchos e impressões. Saiba mais: www.acessoshop.com.br

 

Website: http://www.acessoshop.com.br