Empresas investem mais de US$ 200 bilhões por ano em treinamento, e dados impulsionam inovação em projetos de treinamento corporativo

Nos últimos anos, o mercado de treinamento corporativo tornou-se ainda mais dinâmico e vem passando por uma grande transformação digital. De acordo com artigo publicado por Josh Bersin, as empresas investem mais de US$ 200 bilhões por ano em todo o mundo em treinamento. No Brasil, de acordo com a pesquisa “Panorama do Treinamento no Brasil”, os não líderes são os mais beneficiados, representando 60% dos treinamentos, sendo que 44% desses treinamentos são relacionados a conteúdos técnicos.  

À medida que a demanda por novas habilidades aumenta, elas investem pesadamente em novas ferramentas de aprendizado. No entanto, no meio de tantas novidades e tecnologias, ainda é normal as empresas encontrarem  dificuldade na hora de treinar seus funcionários pois não conseguem reter a atenção deles.

A verdade é que o processo de aprendizagem de adultos e crianças é diferente. Não adianta colocar adultos sentados em uma sala e oferecer uma aula expositiva a eles pois isso muito provavelmente não dará certo.

Por essa razão algumas metodologias de aprendizagem estão ganhando cada vez mais espaço e ajudando a revolucionar a maneira como as empresas capacitam seus funcionários. Conheça cinco dessas principais metodologias:

  • Blended Learning: também conhecido como aprendizado misto, trabalha tanto com aulas presenciais quanto com aulas online, utilizando o melhor de ambas as abordagens.
  • Sala de aula invertida: coloca o aluno como centro do aprendizado e o instrutor passa a ser apenas um facilitador entre o aluno e o novo conhecimento. Nesse tipo de abordagem, o professor não dá aulas expositivas, apenas tira dúvidas e provoca novos questionamentos.
  • 70-20-10: é um modelo de aprendizagem que une o prático ao teórico. Nele, apenas 10% de todo o processo deve ser de aprendizado formal (aulas expositivas, livros etc.); 20% é dedicado ao relacionamento com pessoas que trabalham com o aluno, de forma que ambos troquem conhecimentos; e 70% é pura prática.
  • Trilha de aprendizagem: um seleção de cursos interligados, formando uma verdadeira trilha que o aluno deve seguir para adquirir o conhecimento. A trilha de aprendizagem pode ser totalmente estipulada pela empresa ou permitir que o colaborador escolha qual caminho deseja criar.
  • Gamification: utiliza as ferramentas dos games para motivar e engajar funcionários a realizarem treinamentos. O gamification transforma o processo de aprendizagem em algo lúdico, o que faz com que os envolvidos se divirtam ganhando pontos, conquistando medalhas e aprendendo.

Definir a melhor abordagem pode ser um desafio, pois isso depende da realidade de cada empresa.

Mário Cabral, CO-CEO da Engage, plataforma gamificada de aprendizagem, explica o que deve ser levado em consideração na hora de escolher o modelo de treinamento: “Um ponto central é entender a cultura dentro da sua organização, o que os colaboradores estão buscando de ajuda e o que o negócio espera dos colaboradores. Com esses elementos identificados, busque construir uma cultura de aprendizagem. Ela é a base para todas as iniciativas de treinamento e desenvolvimento em sua empresa”.

Website: https://www.engage.bz