Consultoria de marketing dá dicas para fazer um site vendedor

Não importa qual seja o negócio. Hoje em dia, toda empresa precisa ter uma página na Internet. Mas muitos ainda não sabem como fazer um site vendedor, ou seja, que leve o cliente a querer comprar, não somente um serviço ou produto, mas sim a solução para os seus problemas.

Essa não é uma tarefa simples, como mostra Silvio César de Oliveira, CEO da Wiki Consultoria, empresa especialista em marketing e CRM (gestão de relacionamento com o cliente).

Para ele, um site empresarial, antes de tudo, deve ser pensado não para qualquer pessoa, mas diretamente para o público-alvo da empresa. O gestor ainda cita alguns pontos que são essenciais.

“A principal característica de um site inteligente é ser uma ferramenta de negócios. Para muitas empresas, ele seria como o ponto de venda para um supermercado ou restaurante”, avalia Oliveira.

Mesmo sabendo da importância dos sites para fortalecer uma marca, ainda há muitos pequenos empresários atrasados nesse sentido. As pesquisas mostram que
mais da metade desses negócios de menor porte não têm uma página comercial.

E, mesmo quando contam com um site, mais de 97% são ineficientes, ou seja, precisam ser melhorados do ponto de vista do cliente. A principal melhoria, como apontam os especialistas, deve ser em fazer uma versão para dispositivos móveis, como “smartphones”. Estima-se que 94% deles apresentem essa falha.

Outro problema observado durante os estudos na área é a falta de atualização. Muitos desses sites (cerca de 23%) podem ficar um ano ou mais sem receber novos
conteúdos, o que faz com que percam relevância nos buscadores.

Todos esses são erros graves. Hoje em dia, 81% dos consumidores costumam pesquisar por um produto ou serviço na Internet antes de fechar uma compra. Se uma
empresa não tem um site inteligente e eficaz, acaba perdendo uma grande oportunidade de fechar novos negócios.

Algumas dicas podem construir um site vendedor, conforme explica o CEO da Wiki Consultoria, Silvio César de Oliveira. E o ideal é que essas páginas não sejam apenas institucionais, mas também comerciais. A regra vale inclusive para órgãos públicos, ONGs, mineradoras, empresas de petróleo e gás.

“Um site inteligente ajuda seus clientes a encontrarem soluções para os problemas que estão enfrentando. Eu falei soluções, o que é diferente de produtos ou serviços”, enfatiza o CEO.

Assim, nem sempre vão chamar a atenção apenas as páginas cheias de produtos, catálogos e funcionalidades. É preciso que o público encontre uma solução.

“O processo de venda consiste na conexão entre a dor (problema) e a solução (produto), mas quem faz isso é o vendedor, seja ele uma pessoa ou um site”, explica Oliveira.

Por isso, o consultor elenca alguns pontos que não podem faltar a um site comercial. Uma atenção extra deve ser dada às chamadas entregas de serviços do site, como:

– Área de carreiras;
– Relacionamento com investidores;
– Portal de compras ou licitações;
– Extranet (serviços para usuários logados);

As pesquisas ainda apontam que a parte de contatos do site deve ser reforçada. Mas, na maioria dos casos, não é o que acontece. Cerca de 75% dessas páginas não têm um e-mail e 60% delas também não informam um telefone para atendimento.

Embora muitas empresas reconheçam a importância do site, poucas são as que fazem deste o centro de sua estratégia de vendas. Mais de 80% dos pequenos empresários acreditam que uma página comercial sirva apenas para fornecer informações. Já 45% deles focam apenas em prestar atendimento ao cliente.

Mas os portais que têm grande tráfego de pessoas devido a links patrocinados no Google ou anúncios pagos no Facebook e Instagram conseguem gerar novos “leads” e vendas. Isso porque conseguem canalizar os contatos para uma página com conteúdos ricos, conhecida como isca digital.

Outra possibilidade, segundo a Wiki Consultoria, é integrar o site a uma ferramenta de automação de marketing, CRM (gestão de relacionamento com o cliente) ou chat. Essas ferramentas possibilitam que seu público seja atendido de
forma estruturada e sem perder o contato.

Finalmente, se você deseja criar um site vendedor, que seja ao mesmo tempo comercial, inteligente e funcional, basta aproveitar essas sugestões da Wiki Consultoria:

1º passo: Contratar um profissional

2º passo: Fazer um modelo da arquitetura da informação

3º passo: Escolher uma boa tecnologia de mercado

4º passo: Produzir conteúdos ricos, com uso de SEO (“Search Engine Optimization”)

Assim, independentemente do negócio, um site institucional é a parte mais básica de uma estratégia de relacionamento através da Internet. E torná-lo mais comercial e voltado à venda pode fazer toda a diferença.

Sobre a Wiki Consultoria:
Com oito anos no mercado de consultoria de CRM e marketing digital, a Wiki Consultoria vem se destacando no cenário nacional. Desde 2009, já foram mais de 200 projetos colocados em prática em todas as regiões do Brasil.

A empresa, que teve um crescimento de 20% de faturamento em 2016, já projeta para 2017 um novo aumento de 25% em relação ao ano anterior. Além disso, sua área de atuação é voltada para mapeamento de processos e implantação de sistemas de CRM e capacitação de equipes e gestores comerciais.

Mais informações, pelo site: http://www.wikiconsultoria.com.br/
Website: http://www.wikiconsultoria.com.br/