De olho no Brasil, Amazon anuncia produções locais e foco na diversidade

Criação de séries brasileiras faz parte das estratégias de mercado das plataformas de streaming; uma das séries terá Pabllo Vittar como comentarista

São Paulo — Para os executivos da Amazon, o foco da empresa no Brasil não está nos números, mas sim na diversidade de serviços oferecidos ao consumidor.

A empresa está produzindo seis séries originais brasileiras, todas com previsão de lançamento para o ano que vem – o valor investido nelas não foi aberto. Os executivos revelaram os novos planos em evento realizado nesta quarta-feira (4), na zona sul de São Paulo, o Amazon Prime Presents.

A novidade da Amazon faz parte de um movimento do mercado de streaming. Recentemente, a Netflix anunciou que vai investir 350 milhões de reais em produções locais.

Os olhos dos gigantes voltados para o Brasil são estratégicos. “Existem países no mundo, como Índia e Japão que amam seus próprios filmes e temos times que fazem conteúdos lá. E temos outros, como Canadá e Austrália que consomem principalmente conteúdos dos EUA. E aí temos o Brasil, que consome conteúdos de outros países, mas quer ter algo que pertence a ele”, diz James Farrell, vice-presidente de conteúdos internacionais.

“Achamos que criar shows locais é uma boa forma de atingir nossos clientes brasileiros. Existe uma confusão de que se você cria séries de um determinado país, as pessoas de outros países não vão ligar para isso, mas não é o que acontece. O mundo todo se importa”, continua Farrell.

Veja também

Sobre os recentes cortes em projetos que fomentam a cultura no Brasil, Farrell afirma que a Amazon “não foi afetada”.

Fugindo do eixo Rio-São Paulo que muitos canais e veículos ainda usam, a ideia da Amazon é produzir séries ao redor do Brasil inteiro. “Muitos shows são apenas réplicas de outros e têm personagens parecidos. Com isso, a audiência fica fatigada. As pessoas querem ver novas histórias e pontos de vistas”, diz Jennifer Salke, presidente do Amazon Studios.

A diversidade também é um ponto importante para a expansão do Prime Video no Brasil. Grande parte das séries anunciadas tem foco em sexualidade, problemas familiares e diferentes vivências.

Uma delas, “Soltos em Floripa”, um reality show com jovens, terá um painel de celebridades comentando cada episódio. Entre os convidados, está a cantora Pabllo Vittar, eleita pela revista norte-americana Time como uma das líderes da próxima geração.

Vittar também pode ajudar a trazer visibilidade para a série e para a plataforma de streaming, uma vez que coleciona milhares de seguidores nas redes sociais.

“O que amo sobre a nossa abordagem internacional é que é uma mensagem consistente. Todo dia sentamos em Los Angeles e pensamos que queremos ser uma casa para os criadores, queremos ser autênticos com as vozes deles”, afirma Salke.

 Confira as produções brasileiras da Amazon Prime:

  • Tudo ou nada: seleção brasileira, estreia no dia 21 de janeiro de 2020
  • Soltos em Floripa: estreia no começo de 2020
  • DOM, uma série dramática, focada na relação de um pai policial, que luta contra as drogas, e de um filho envolvido com o crime. Ainda sem data de estreia.
  • Setembro, fala de uma mulher trans e sua família
  • Lov3, sobre relacionamentos de pessoas na fase dos 20 anos
  • Projeto com Marcelo D2, ainda sem título e data de estreia

Diferencial

O investimento em produção local brasileira é o mais recente anúncio da varejista para o país, que em 2019 decidiu entrar de vez no Brasil.
A companhia abriu um centro de distribuição em janeiro e, em setembro, lançou o Prime no país, que oferece frete grátis e serviços de entretenimento como streaming de música e filmes.

A Amazon decidiu fortalecer sua presença no Brasil em um momento em que grandes concorrentes locais estão se fortalecendo, como Magazine Luiza, B2W, dona da Americanas.com, Via Varejo e a argentina Mercado Livre.

Com exceção do Mercado Livre, as outras possuem uma grande rede de lojas em todo país, usadas para suportar a operação digital. Dessa forma, a Amazon busca se diferenciar da concorrência e o conteúdo original de sua divisão de streaming pode ser um atrativo para os consumidores.