Corinthians cede concessão do Itaquerão para investidor

A concessão outorgada ao clube paulista será cedida à BRL Trust, que administra o fundo de investimentos responsável financeiramente pela construção do estádio

São Paulo – O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), autorizou nesta terça-feira a transferência da concessão de direito de uso real do terreno do Itaquerão dada ao Corinthians na década de 1980 para a empresa que administra o fundo de investimentos responsável financeiramente pela construção do estádio que receberá o jogo de abertura da Copa do Mundo no dia 12 de junho, entre as seleções de Brasil e Croácia.

A partir de agora, a concessão outorgada ao clube paulista pelo ex-prefeito Jânio Quadros pelo prazo de 90 anos será cedida à BRL Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A., administrador e proprietário fiduciário dos ativos que compõem o patrimônio do Arena Fundo de Investimento Imobiliário (Arena FII).

Criado em agosto de 2011, o fundo imobiliário tem como cotistas o Corinthians, a Odebrecht, empreiteira responsável pela construção do estádio, e a Arena Itaquera S/A, empresa comandada por Maurício da Costa Ribeiro e Rodrigo Boccanera Gomes, que são os diretores da BRL Trust.

A previsão é de que o Itaquerão seja concluído em abril.

A transferência da concessão, que está registrada no 9º Cartório Oficial de Registro de Imóveis de São Paulo, na região do Tatuapé e Itaquera, zona leste da capital, recebeu manifestações favoráveis da Procuradoria Geral do Município e da Secretaria dos Negócios Jurídicos e foi autorizada por Haddad em despacho publicado no Diário Oficial da Cidade desta terça-feira.

Em maio de 2011, o Corinthians assinou acordo judicial com o Ministério Público Estadual (MPE) e com a prefeitura na qual se comprometeu a pagar a contrapartida de R$ 12 milhões em obras sociais na região de Itaquera exigida pela concessão do terreno, dos quais R$ 4 milhões até o fim deste ano.

Em janeiro de 2013, o secretário municipal de Esportes, Celso Jatene, disse que o clube já havia pago cerca de R$ 1,5 milhão.