Comgás mantém investimento mesmo sem revisão de tarifa

Em 2014, a meta da Comgás é investir de R$ 680 milhões a R$ 780 milhões

São Paulo – O adiamento da revisão tarifária da Comgás pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) não deve alterar a previsão de investimentos da companhia para este ano e para o ciclo tarifário 2014-2019, afirmou há pouco o diretor e Finanças e de Relações com Investidores, Roberto Laje.

“O regulador diz no seu ofício que todos os valores serão devidamente compensados em maio de 2015, logo o adiamento não deve mudar a previsão de investimentos”, declarou o executivo durante teleconferência com jornalistas.

Em 2014, a meta (guidance) da Comgás é investir de R$ 680 milhões a R$ 780 milhões. Até 2019, a expectativa do mercado é que a companhia invista um total de R$ 3,6 bilhões.

Laje, no entanto, disse que a empresa ainda não possui uma estimativa de investimentos para o novo ciclo tarifário. Com o atraso, o montante a ser investido nos próximos cinco anos será informado “provavelmente até o final deste ano, início do ano seguinte”.

Conforme antecipado pelo Broadcast, prevista inicialmente para ser concluída em 31 de maio deste ano, a revisão tarifária da Comgás foi adiada para 31 de maio de 2015.

Em fato relevante divulgado ontem ao mercado, a companhia disse ter recebido ofício onde a Arsesp, para não prejudicar o equilíbrio econômico-financeiro da concessão, informou que os valores máximos das Margens de Distribuição serão reajustados provisoriamente pela variação do IGP-M/FGV de abril de 2013 a abril de 2014, deduzido um fator de eficiência provisório (fator X) de 0,82%.

Ainda durante a teleconferência, Laje destacou que, apesar do adiamento, a companhia atingiu antecipadamente todas as metas estabelecidas pela reguladora para o ciclo 2009-2014, com exceção do volume de gás distribuído.