Clima favorece desenvolvimento de milho 2ª safra

As lavouras mais adiantadas são as do Paraná, onde 7,1 % da área estão maturando, contra 2,3 % no ano passado

São Paulo – O tempo tem sido favorável para o desenvolvimento das lavouras de milho segunda safra no Centro-Oeste e no Paraná, que estão em estágio de desenvolvimento avançado ante o ano passado, apontaram especialistas.

Levantamento da consultoria Clarivi publicado nesta segunda-feira mostra que 3,6 % das lavouras de milho já se encontram na fase de maturação (a última antes da colheita), contra 1,7 % na semana passada e 1,8 % no mesmo período de 2012.

As lavouras mais adiantadas são as do Paraná, onde 7,1 % da área estão maturando, contra 2,3 % no ano passado.

O plantio antecipado do milho “safrinha”, na comparação com 2012, foi favorecido por uma colheita antecipada da soja, principalmente no Paraná e em Mato Grosso, com um clima favorável à oleaginosa e com um crescimento do uso de variedades precoces.

Produtores de diversas regiões aproveitam a parte final do período chuvoso para cultivar o milho segunda safra. Os Estados com maior área Mato Grosso, Paraná e Mato Grosso do Sul.

A estimativa do governo federal é de plantio de 1 milhão de hectares a mais com milho de segunda safra este ano, com uma colheita que deverá quebrar recorde mais uma vez, ultrapassando 43 milhões de toneladas.

Além de um cronograma mais avançado neste ano, o clima também tem colaborado para uma boa expectativa de produtividade.

“As condições climáticas mostram-se favoráveis para que um novo recorde de produção de milho segunda safra possa ser alcançado pelos produtores mato-grossenses”, disse a Clarivi em seu relatório semanal.

O agrometeorologista Marco Antônio dos Santos, da Somar, afirma que chuvas esparsas no Centro-Oeste, Sudeste e Paraná, no fim de maio e início de junho, deverão impulsionar ainda mais a produtividade das lavouras.

“Este ano vai ser ano de produção cheia para o milho. (…) A chuva eleva o teto de produção”, disse ele.

Preços

Os produtores, principalmente de Mato Grosso, já começam a se preocupar com os preços do milho, disse a Clarivi.

“Em Lucas do Rio Verde, os preços já estão sendo praticados abaixo dos 12 reais por saca, valor este que é inferior ao preço mínimo garantido pelo governo na safra atual”, apontou a consultoria.

Segundo levantamentos do Cepea, centro de pesquisa da Universidade de São Paulo, o milho na região de Sorriso, norte de Mato Grosso, era comercializado na sexta-feira a 12,33 reais por saca, menor nível para a região desde pelo menos o final de 2010.

A cotação do milho em Sorriso caiu cerca de 32 % desde o início do ano.