Chilena Cencosud não descarta aquisições no Brasil

No entanto, o foco da empresa neste momento é a reestruturação

Atibaia, SP – Apesar do desempenho mais fraco em vendas das marcas do Cencosud no Brasil, o fundador e presidente do Conselho de Administração do grupo varejista chileno, Horst Paulmann, não descarta a possibilidade de aquisições no País.

“Estamos sempre de olhos abertos”, declarou durante a convenção da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O empresário considerou, porém, que o foco da empresa neste momento é a reestruturação, dizendo que agora os executivos trabalham para implantar melhorias nas marcas.

Entre as ações de melhoria das operações no Brasil, Paulmann comentou a necessidade de “descentralizar” os processos. “Cada marca para nós é um país distinto”, comentou.

Mais cedo, ele já havia apontado a necessidade de aumentar a participação de brasileiros na administração da operação local e considerou que é preciso nomear diretores brasileiros para todas as bandeiras do grupo no País.

O Cencosud é a quarta maior rede de supermercados do Brasil, segundo a Abras, e comanda redes como a sergipana G.Barbosa, a mineira Bretas e a fluminense Prezunic.

“Na Bretas e na G.Barbosa, duas de nossas marcas no Brasil, nomeamos diretores brasileiros, mas agora falta um para a Prezunic”, disse Paulmann durante a convenção.

O empresário descartou que preocupações com a desaceleração da economia brasileira afetem os planos de investimento. “Todo país tem movimentos de alta e baixa na economia, não estou preocupado”, comentou. Questionado, ele não quis dizer, porém, se a companhia tem um plano para inauguração de novas lojas este ano.

O Cencosud informou em sua divulgação de resultados que durante o primeiro semestre de 2014 inaugurou apenas uma unidade nova no Brasil, de quase 1,4 mil metros quadrados de área.

Confrontado com a tendência apontada por consultores e analistas de migração dos consumidores para novos formatos de loja que não os hipermercados (como lojas de vizinhança), Paulmann afirmou que o grupo “tem muita confiança em hipermercados grandes”.

O fundador do Cencosud ainda comentou os resultados de vendas mais fracas da companhia no Brasil. Ao responder sobre por que as marcas da empresa têm crescido menos do que a concorrência, ele citou o tempo de atuação do grupo no País. “O Pão de Açúcar e o Carrefour estão no Brasil há muito mais tempo e nós, somente há seis anos”, declarou.

“Temos redes de pessoas excelentes e o que precisamos é entender o Brasil e trabalhar melhor”, afirmou. “Não é fácil entender o Brasil”, acrescentou. Questionado sobre a possibilidade de trazer para o Brasil as operações do grupo de lojas de departamento e de materiais de construção, ele disse apenas que “tudo é possível”.