Casino quer expansão em mercados de língua espanhola

Rede de varejo quer crescer em países como Peru, Equador, Paraguai, Bolívia, República Dominicana, Panamá e outros países da América Central

Paris – O Grupo Casino, terceiro maior varejista da França em receita, planeja expandir suas operações em países que falam a língua espanhola na América Latina por meio de aquisições feitas por sua unidade Almacenes Éxito, baseada na Colômbia, afirmou o executivo-chefe da subsidiária Gonzalo Restrepo. A Éxito, onde o Casino detém 54,8%, levantou US$ 1,3 bilhão com a venda de novas ações na bolsa colombiana na semana passada e planeja agora usar o dinheiro para pagar uma aquisição no Uruguai. A empresa também espera abrir até 100 lojas na Colômbia e tem um plano de três anos para expandir-se “em países politicamente estáveis” na América Central, Caribe e região Andina, disse Restrepo.

O Casino está usando a Éxito como um ponto de apoio para se tornar um dos principais players na região, onde compete com o rival francês Carrefour, a norte-americana Walmart e a chilena SACI Falabella. O Casino tornou-se mais agressivo nos mercados emergentes durante os últimos dois anos, aproveitando o aumento da renda disponível da classe média emergente nos mercados de rápido crescimento da Ásia e América Latina. A companhia também se beneficiou dos problemas sofridos pelo Carrefour. O Casino comprou os ativos do Carrefour na Tailândia no ano passado e, no início deste ano, bloqueou a tentativa da rival de se unir com o Pão de Açúcar.

Restrepo citou Peru, Equador, Paraguai, Bolívia, República Dominicana, Panamá e outros países da América Central. Os mercados de varejo do Chile e do México já estão saturados, afirmou o executivo, enquanto o Casino já opera na Argentina. “Nós não descartamos abrir operações a partir do zero, mas nós preferimos o crescimento através da aquisição de participações de controle em varejistas locais”, afirmou Restrepo. Ele acrescentou que a companhia prefere manter parceiros locais que estão culturalmente em sintonia com os clientes e fornecedores locais, assim como fez com a Éxito na Colômbia. O executivo não quis especificar quanto dinheiro sua companhia está pronta para investir em aquisições no exterior.

Por razões regulatórias, a Éxito poderá somente assumir lojas pequenas ou independentes localmente, porque já controla 42% da indústria formal de varejo.

No rastro do forte crescimento da economia colombiana, a Éxito deverá reportar forte crescimento neste ano, disse Restrepo. Após a companhia reportar que seu lucro líquido quase dobrou no segundo trimestre, na comparação com o mesmo período do ano passado, Restrepo disse que “o terceiro trimestre não desapontará”. A Éxito deverá crescer em 2012, à medida que a economia do país deverá se expandir entre 4,5% e 5%, acrescentou o executivo. As informações são da Dow Jones.