Casino corta verba de Diniz e Klein com jatinho e segurança

Aprovada pelo conselho, nova regra prevê gastos deste tipo apenas para as famílias do presidente do conselho e do diretor presidente do grupo

São Paulo – O Comitê de RH do Grupo Pão de Açúcar, comandado pelo Casino, acaba de aprovar em reunião do conselho o corte de estimados 98 milhões de reais gastos pelas famílias de Abílio Diniz e de Michel Klein com segurança pessoal e jatinhos, segundo informações da coluna Radar, de Lauro Jardim, da Veja.

De acordo com a coluna, apenas os Klein gastam 72 milhões de reais com um esquema de segurança privada, formado por mais de 800 homens.

A votação sobre o corte durante a reunião de hoje do conselho aconteceu, segundo o colunista, sem faíscas, ao contrário do que era previsto. Os representantes de Abílio Diniz no comitê, Geize, sua mulher, e Pedro Paulo, seu filho, se abstiveram.

A proposta da resolução austera havia sido enviada pelo presidente do grupo, Enéas Pestana, para discussão ao conselho na semana passada. Um dos itens da proposta de Pestana, segundo a coluna, seria o de estabelecer 1,3 milhão de reais por ano como limite máximo a ser gasto por beneficiário com itens deste tipo. Apenas o presidente do conselho de administração e o diretor presidente do grupo, além de suas mulheres e filhos, teriam direito ao benefício.

Quanto aos jatinhos, “fica expressamente vedado o uso ou contratação de serviços de aviação executiva pela companhia ou por seus administradores para o transporte de executivos com fins ou efeitos privados”.

Sobre as novas regras, Abilio Diniz afirma*, por meio de sua assessoria de imprensa, que não se opôs à decisão do Comitê de RH de alterar a política de segurança e de uso de aeronaves da Companhia, tendo seus representantes se abstido de votar. “Os gastos com segurança fazem parte do contrato firmado com o Casino em 2005”, diz em nota. 

* Atualizado às 17h57.