Caixa receberá aporte de até R$ 1,5 bi do governo

Instituição vai aumentar seu capital, por meio da transferência de ações de empresas estatais ao banco federal

São Paulo – A Caixa Econômica Federal receberá do governo um aporte de até 1,5 bilhão de reais para aumentar seu capital, por meio da transferência de ações de empresas estatais ao banco federal.

A operação ocorre no momento em que a Caixa, que desde a crise financeira global de 2008 e 2009 vem se expandindo no crédito em velocidade superior aos rivais, se aproximava do piso de capital medido pelo índice de Basileia de 11 por cento, conforme exigido pelo Banco Central.

A Caixa encerrou junho com índice de Basileia de 12,9 por cento, ou 1,6 ponto percentual inferior ao registrado 12 meses antes.

O também estatal Banco do Brasil tinha Basileia de 14,6 por cento no meio do ano, enquanto Itaú Unibanco estava com 16,9 por cento e Bradesco com 17 por cento.

A autorização do aumento de capital da Caixa foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, por meio de decreto.

Quando a Caixa divulgou seu resultado do segundo trimestre, em 9 de agosto, o presidente do banco, Jorge Hereda, afirmou que a instituição seria capitalizada pelo governo neste semestre.

“Já está acertada a capitalização, mas ainda não de quanto”, disse Hereda na ocasião.

A Caixa tem planos de fazer ainda uma captação de recursos no mercado internacional, o que também reforçaria sua base de capital. A expectativa da instituição é levantar cerca de 1,5 bilhão de dólares até outubro, segundo previu seu vice-presidente de Finanças, Marcio Percival.

A carteira total de crédito da Caixa, formada principalmente por financiamento imobiliário, estava em quase 300 bilhões de reais em junho, expansão de 44,6 por cento sobre o mesmo período do ano anterior. Esse percentual de crescimento é mais que o dobro da alta vista no sistema financeiro nacional como um todo.


Aporte via ações

Segundo o texto do decreto autorizando o aporte, a União fica autorizada a permutar até 48,15 milhões de ações do Banco do Brasil, excedentes ao necessário para a manutenção do controle da instituição pelo governo, por ações ordinárias da Petrobras pertencentes ao Fundo Fiscal de Investimentos e Estabilização (FFIE).

Essas ações ordinárias da Petrobras deverão então ser transferidas à Caixa, bem como possivelmente papéis da Telebrás também excedentes à posição de controle do governo na empresa de telecomunicações.

“A capitalização por meio da transferência de ações será efetivada após deliberação favorável do conselho de administração da Caixa”, de acordo com o texto.

O decreto foi publicado no mesmo dia em que reportagem do Valor Econômico informou que a Caixa pediu autorização ao BC para criar um banco de investimento.