Cade ‘congela’ negócios da Universal e da Sony com EMI

O órgão antitruste determinou que a EMI e a Universal mantenham em separado suas operações de gravação de músicas

Brasília – A pedido da Warner Music Brasil e da Warner Chapell Edições Musicais, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) determinou nesta quarta-feira uma medida cautelar que congela os negócios da Universal e da Sony com a EMI nos ramos de gravação e edição musical.

O órgão antitruste determinou que a EMI e a Universal mantenham em separado suas operações de gravação de músicas, enquanto a mesma EMI e a Sony devem deixar isoladas suas operações de edição musical. A medida cautelar é válida até que o Cade julgue os dois atos de concentração.