Bradesco avalia o atacado no exterior, diz executivo

O banco avalia aquisições nesse segmento na América Latina

São Paulo – O Bradesco segue com a estratégia de crescer em varejo no Brasil, mas considera avaliar oportunidades de aquisição no segmento de atacado no exterior, conforme Sérgio Clemente, diretor vice-presidente executivo da instituição. A região que faz mais sentido, conforme ele, é a América Latina e qualquer oportunidade será para complementar a atuação do banco.

“Toda decisão no exterior vai passar por análise de risco, capital e rentabilidade. É muito pouco provável que vamos comprar um banco no exterior”, destacou o executivo, em coletiva de imprensa, nesta manhã.

De acordo com ele, a agressividade da concorrência em termos de expansão internacional está sendo avaliada não só pelo banco, mas também pelo mercado.

“Não é porque um concorrente está fazendo uma aquisição no exterior que eu vou mudar minha estratégia no dia seguinte. Até o momento o banco não teve motivação para mudar seu eixo estratégico no varejo local e no atacado acompanhar empresas brasileiras na internacionalização. Estamos andando com a maior serenidade (no projeto de expansão internacional) e estamos convictos de que nossa estratégia é vencedora”, afirmou o vice-presidente do Bradesco.

Clemente destacou que o banco investimento do Bradesco, o BBI, está em fase de licença para operação do atacado no México, onde a instituição ingressou via operações de cartões. Tão logo saia o aval do órgão regulador, conforme o executivo, a instituição investirá aos poucos.

“O mercado no México é muito complicado no setor de pessoa jurídica. Há muitas empresas que atuam neste mercado. Para ganhar dinheiro no México, tem de ser nas médias empresas”, afirmou Clemente.

O Bradesco promove hoje, em São Paulo, o Bradesco’s 1st Brazil Investment Forum, que acontece pela primeira vez no Brasil. Segundo Clemente, o evento entrará para o cronograma de encontros do banco no País.