BNP vai usar bônus de executivos para pagar multa bilionária

Banco francês vai cortar salários e demitir executivos para pagar multa de 8,9 bilhões de dólares, diz Financial Times

São Paulo - O <strong><a href="http://www.exame.com.br/topicos/bnp-paribas">BNP Paribas</a></strong> está prestes a sofrer a maior punição da história do Departamento de Serviços Financeiros dos Estados Unidos. </p>

Como parte de um acordo com o órgão fiscalizador, o banco francês terá de pagar uma multa de 8,9 bilhões de dólares.

O recorde, até agora, era de 715 milhões de dólares, valor pago pelo banco suíço Credit Suisse, por questões relativas a impostos.  O BNP também ficará proibido, até 2015, de realizar alguns serviços de transferências de dólares.

O banco irá declarar-se culpado por realizar transações financeiras no valor de 30 bilhões de dólares com países que estavam sob sanção, como Cuba, o Irã e o Sudão, segundo fontes ouvidas pelo jornal britânico Financial Times.

Foi ordenado que o BNP deixasse de fazer negócios com esses países em 2007, mas investigações encontraram evidências de negociações até 2011.

De acordo com o jornal, dezenas de pessoas perderão seus empregos no banco, incluindo George Chodron de Courcel, diretor de operações, e Vivien Levy-Garboua, antiga executiva da filial americana. Nenhum dos dois foi formalmente acusado de envolvimento com o caso e nem comentou o assunto. 

Outros executivos terão salários e bônus cortados. O banco marcou uma conferência para analistas para amanhã para anunciar os impactos da sanção em seus resultados.